• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Todas as religiões aceitam a cremação?

    Religiões e cremação são palavras que podem ou não caber na mesma frase. Isso porque muitas crenças são favoráveis a essa prática, mas outras não aceitam a cremação devido os dogmas e paradigmas relacionados às doutrinas. Contudo, a cremação é um dos processos mais antigos realizados pelo homem e que ganha cada vez mais adeptos pelo mundo. 

    As menores taxas de cremação no mundo são as dos países católicos, como, por exemplo, a Itália, em que o número da prática é bem baixo. Já a República Tcheca possui o maior número de cremação da Europa com 76% e, no Japão, a procura pela cremação chega a 98%. 

    O primeiro crematório do Brasil surgiu em São Paulo, em 1974, mas de lá pra cá muita coisa mudou e hoje o país conta com mais de cem crematórios espalhados por vários estados.

    Portanto, a cremação cresce a cada dia, tanto pelo aumento de crematórios quanto pelas facilidades de negociação para o procedimento. Muitas famílias optam pela cremação por ser um procedimento mais prático, rápido, econômico e ecologicamente correto em comparação ao enterro tradicional.

    Entretanto, no texto de hoje, vamos falar sobre religião e cremação e verificar quais crenças não permitem que os seus adeptos realizem esse procedimento. Confira!

    A cremação no espiritismo

    A cremação é perfeitamente aceita no espiritismo, não havendo nenhum argumento contrário à prática, contanto que haja um intervalo de 72 horas entre a morte e o início do ritual.

    Isso ocorre porque, na doutrina espírita, acredita-se que o espírito pode manter uma ligação com o corpo após a morte até esse período. 

    O médium Chico Xavier, um dos mais importantes nomes do espiritismo, falou sobre a cremação. Segundo ele, o seu mentor espiritual Emmanuel disse que a cremação é legítima para todos aqueles que a desejem, mas é necessário que seja respeitado o período de 72 horas de expectação para que o corpo seja cremado. 

    A cremação no catolicismo 

    Após a Revolução Francesa, muitas pessoas descrentes da vida eterna e da ressurreição dos mortos acabaram por incinerar os cadáveres com o objetivo de provar que não haveria possibilidade de Deus ressuscitar aqueles falecidos. 

    Mas, com o passar do tempo, a fé foi se transformando e o costume de incinerar os corpos também mudou de visão e deixou de ser um ato de protesto.

    O Vaticano, por meio do papa Paulo VI, reconheceu a cremação como um ritual válido de despedida. Isso ocorreu em 1963 e, assim, deu novas orientações para os católicos que desejassem ser cremados após a morte. 

    A Igreja Católica, hoje em dia, entende que em muitos casos a cremação se faz necessária, principalmente em lugares em que as populações são muito grandes e os espaços para os sepultamentos são cada vez menores. 

    Contudo, a igreja orienta que as cinzas não podem ser espalhadas no mar, em matas ou em locais abertos. Elas devem ser mantidas em locais sagrados e aprovados pela própria igreja, podendo ser em cemitérios ou espaços próprios criados especialmente para isso. 

    A Igreja Católica considera importante ter um local onde os mortos possam ser reverenciados e que as famílias possam prestar suas homenagens no Dia dos Finados, período em que os católicos levam flores e acendem velas para seus entes queridos. 

    A cremação no hinduísmo

    O hinduísmo é uma das religiões que são mais favoráveis à cremação, pois acreditam que o fogo funciona como um elemento purificador e que ajuda o falecido a se desapegar dos seus restos materiais para poder seguir para uma nova dimensão.

    Eles acreditam que é mais importante manter a pessoa viva na memória do que na carne. Essa religião tem uma visão diferente das religiões ocidentais, ela acredita em dimensões distintas, que são alcançadas de acordo com o nosso nível de consciência e que podem levar algumas vidas para subirmos os degraus dessas dimensões.

    A cremação para os evangélicos 

    Os evangélicos, em sua maioria, são contra a cremação, pois muitos de seus líderes são seguidores do velho testamento e, portanto, costumam optar pelo sepultamento. Porém, não há nenhum tipo de proibição clara, apenas orientações.

    Religiões que não permitem cremação 

    Esse é um assunto para todas as pessoas, pois mesmo não sendo religioso, alguém da família tem que tomar certas decisões quando acontece um falecimento de um ente próximo. E a cremação é uma opção que passa pela cabeça de muitas pessoas, mas algumas religiões não são favoráveis à prática.

    O islamismo, candomblé e o judaísmo não permitem a cremação do corpo, pois nessas crenças acredita-se que o retorno do corpo à terra completa o ciclo da vida, por isso, eles são favoráveis apenas ao enterro convencional.

    A importância de se comunicar a opção pela cremação

    Entretanto, para que seja realizada a cremação, é importante saber que independente dos motivos, é necessário que a família seja comunicada para uma possível autorização.

    Para que um procedimento de cremação seja realizado no Brasil é necessário que a pessoa registre o seu desejo pela prática em cartório, ou mesmo que o parente mais próximo registre o serviço. 

    A disposição das cinzas, por sua vez, é livre, podendo ser conservadas em jazigos ou mesmo entregues a um depositário de cinzas.

    Deixe um comentário