• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Falar sobre dor da partida é essencial

    Nos tempos em que vivemos é essencial falar sobre a dor da partida, principalmente, das pessoas que amamos. Isso porque a pandemia causada pelo novo Coronavírus (Covid-19) acabou por limitar os rituais de despedida, criando barreiras para a sociedade entender processo natural de encarar o luto e a morte.

    O luto é processo muito importante para as pessoas assimilarem a partida de um amigo ou ente querido. O caminho do luto deve ser percorrido por todos para que a pessoa possa seguir em frente.

    ‍A pandemia trouxe para a sociedade a grande necessidade de enfrentamento da morte de uma forma muito mais acentuada e drástica. Não apenas sobre a nossa própria morte, mas também sobre a morte da família e amigos.

    Dessa forma, o medo da morte começou a ser uma rotina na vida das pessoas e estudos demonstram o impacto agressivo da pandemia na sociedade, principalmente em situações ligadas a perdas. Portanto, é sobre esse assunto o que falaremos no texto de hoje, confira!

    A importância da despedida

    Falar sobre a dor da partida é essencial para o entendimento do processo de luto. Mas com a pandemia não está sendo possível realizar a despedida e as pequenas coisas que, podem parecer simples, mas são muito importantes para algumas pessoas.

    Atos como ver a pessoa falecida por uma última vez, poder ter uma última conversa mesmo que unilateral, poder pedir desculpas ou perdoar durante o velório, são bem importantes para algumas pessoas lidarem com o luto.

    Além disso, compartilhar essa dor com os familiares e pessoas queridas também pode ajudar bastante. Receber o abraço quente de um familiar, ter um ombro amigo para chorar ou outra pessoa para compartilhar memórias também pode fazer a diferença.

    Todas essas coisas, embora, pareçam simples, como dissemos antes, são de grande importância para enfrentar o processo de luto.

    Os rituais servem para aproximar as pessoas do entendimento da morte e eles vêm sendo adaptados pela sociedade de acordo com a religião e a cultura dos povos.

    Todos esses fatores de despedidas foram cortados em decorrência da pandemia, o que traz uma sensação de falta. Isso poque as pessoas sentem a necessidade de se despedirem dos entes queridos, mas os protocolos sanitários são essenciais para conter o novo Coronavírus. 

    Nessa falta de um ritual de despedida tradicional, de acordo com a religião de cada família, as pessoas acabam enfrentando um vazio do tempo limitado para enterro, velório ou cremação.

    Assim, eles não podem encontrar os familiares e amigos por conta do vírus e isso dificulta o enfrentamento do luto. 

    O processo do luto é mais doloroso sem a devida despedida

    Sem o processo de luto e sem ‍ter com quem falar sobre a dor da partida, é natural que o processo de luto seja mais doloroso devido a solidão. O processo do luto é absolutamente normal e saudável. 

    É comum o nosso humor oscilar e ficarmos tristes durante um tempo. É importantíssimo passar por todas as fases luto sem vergonha, pois só assim podemos seguir em frente. 

    ‍No início ficamos mais focados na situação e a falta dos rituais dificulta a pessoa fazer os fechamentos que são importantes para encerrar ciclos. Contudo, o distanciamento social diminui essa rede de apoio para os enlutados. 

    Quais são os tipos de luto existentes?

    Durante a vida podemos nos deparar com três tipos luto, são eles: luto antecipado, luto e luto tardio.

    • Luto antecipado: é quando a relação da morte vem antes do ente querido morrer, de acordo com as condições e prognóstico. 
    • Luto: esse é o processo natural em direção a aceitação da morte em diferentes sintomas, porém, nesse caso, as pessoas continuam com a capacidade de desenvolverem as suas tarefas diárias normalmente. 
    • Luto tardio: nesse caso, o luto se manifesta muito depois alguns meses. As pessoas normalmente não sentem como deveriam logo na partida e os sentimentos ficam guardados. 

    Não fechar os olhos para o futuro 

    ‍Falar sobre a dor da partida é uma das formas de entender melhor os próprios sentimentos, principalmente nesse período de pandemia.

    Se você já sentiu muitos sentimentos que oscilam não se preocupe, isso é absolutamente normal durante o processo de luto. 

    A oscilação dos sentimentos é até saudável e necessária para que nenhuma emoção passe despercebida. Essa oscilação nos ajuda ainda na organização internas dos sentimentos nessa nova realidade.  

    Cada sentimento ‍tem sua importância e deve ser sentido para se possa olhar para o futuro com novas perspectivas. Aprendendo a lidar com seus sentimos você poderá deixá-los para trás.

    Mesmo que não haja um funeral tradicional é importante sentir as tristezas e as angústias das despedidas.

    Entendendo o processo de luto 

    ‍Quando se perde um ente querido é comum sentir uma grande de oscilação de sentimentos. Como, por exemplo: tristeza, ansiedade, perda de sono, negação, perda de apetite, dentre outros.

    Tudo isso é absolutamente natural, mas, quando a coisa passa a ser patológica, é importante buscar ajuda psicológica. 

    ‍Falar sobre a dor da partida não é apenas uma forma de desabafo. Isso ajuda também a trazer o enlutado a nova realidade, pois, quanto mais ele fala, mais ele se conscientiza da situação. Sendo assim, uma ajuda psicológica ou mesmo de um amigo ouvinte, é sempre de grande valia. 

    Um psicólogo é um profissional muito indicado quando a tristeza da perda de um ente querido ganha uma proporção muito grande. Esse profissional poderá indicar o melhor caminho para que a pessoa possa voltar a sua rotina. 

    A importância do acolhimento

    ‍A cultura brasileira não trata a morte como algo natural, o que acaba criando um estigma que, por sua vez, dificulta a vivência do processo de perda. Portanto, é muito importante buscar acolhimento e amparo nesse período.

    Poder compartilhar as emoções torna o período de luto menos solitário e doloroso. ‍Falar sobre a dor da partida com amigos e familiares pode deixar o processo um pouco mais leve. 

    ‍É interessante buscar outras redes que incluem rodas de conversas sobre o tema, aconselhamento espiritual, orientação de profissional de saúde ou ainda outros tipos de organizações que sejam de sua confiança para ter mais conhecimento e acolhimento sobre o processo de luto. 

    Outra alternativa pode ser a internet e as redes sociais, onde você pode se expressar e conseguir ajuda, nem que seja uma pessoa para trocar informações.

    ‍Outra boa alternativa é a realização de atividades ao ar livre. Contudo, nunca se esqueça, sempre siga as normas de segurança relacionada ao novo Coronavírus (Covid-19), pois a pandemia ainda não acabou. 

    Enfim, quando se fala em luto, a primeira coisa que deve saber é que ele é composto por várias fases, sendo elas: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação.

    Todas essas fases devem ser sentidas, na maioria das vezes. E falar sobre elas, bem como sobre a dor da partida, principalmente nos últimos tempos, tornou-se essencial para se manter uma boa saúde mental.

    Deixe um comentário