• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Como lidar com o luto após a morte de um pet?

    A dor de perda de uma animal de estimação equipara-se a perda de um ente querido. Inclusive, a pesquisas que comprovam que o processo de luto por uma pessoa ou por um pet é o mesmo.

    Quando isso acontece, muita gente não sabe lidar com o luto após a morte de um pet. Contudo, assim como o luto pela perda de uma pessoa, o luto pela morte de um pet deve ser vivenciado e sentido pela pessoa.

    No texto de hoje, traremos um depoimento sobre esse assunto, confira!

    Lidando com o processo de luto pela morte de um pet

    Quando a gente chega a uma certa idade, começamos a pensar em coisas que deixamos de fazer. No meu caso, uma das coisas que deixei para fazer tardiamente foi ter meu primeiro cachorro. Somente aos 46 anos que resolvi ter essa experiência. Antes disso, eu não era apegada a animais, mas Dylan chegou para completar a família cinco anos atrás.

    Ele era um Golden Retriever, raça de cachorro famosa por ser companheiro e amoroso, e posso afirmar que Dylan realmente foi tudo isso. Digo foi porque, junto com a primeira experiência de ter um cachorro, veio também a primeira experiência de perda de um pet, pois Dylan acabou falecendo. Isso aconteceu há poucos dias e confesso que isso está sendo um processo muito intenso para todos da família.

    Percebi que quando morre um animal muitas pessoas se compadecem, tanto que recebi centenas de mensagens de pessoas tentando me consolar em meu perfil no Instagram (@silviaruizmanga). Muitas delas contaram suas experiências com perdas de seus pets.

    Só quando perdi meu cachorrinho foi que percebi a importância dele em nossa família e o quanto é difícil lidar com a perda. Para mim está sendo tão difícil quanto lidar com a perda de uma pessoa da família. Tanto que procurei uma especialista em luto, a psicóloga clínica Adriana Nunan, para que ela pudesse me orientar sobre como lidar com a perda do meu pet da forma menos dolorosa possível.

    Devemos entender, primeiramente, que esse tipo de luto é chamado de luto não reconhecido ou não autorizado. Ou seja, por se tratar de um animal, achamos que não devemos sofrer tanto. É comum pensar dessa forma, pois eu mesma me senti constrangida ao falar sobre a minha perda no trabalho, pois temia ser julgada.

    Entretanto, eu descobri que as pessoas se compadecem com esse tipo de perda e que existem algumas formas de vivenciar esse tipo de luto de forma menos dolorosa. A psicóloga me ajudou muito nesse processo e me deu dicas muitos úteis.

    Reconhecer o luto

    A primeira coisa a se fazer é reconhecer os seus próprios sentimentos. Se permita sentir angústia e tristeza, pois esses sentimentos são os mais comuns durante o processo de luto. Não tente reprimir o que sente, é importante vivenciar e por para fora.

    O luto acontece de formas diferentes para cada pessoa. A maneira e a intensidade dos sentimentos dependerão de vários fatores, que envolvem o tamanho do apego, o tempo de convivência com o animal e assim por diante.

    O tempo de duração do luto também varia de pessoa para pessoa. Pode ser dias, meses e, em alguns casos, até anos. O importante é respeitar o seu tempo.

    Fale sobre sua experiência

    Conversa é sempre uma forma de por para fora os sentimentos e elaborar o processo de luto. Procure falar com pessoas que já passaram pela experiência, pois elas lhe entenderão melhor. Não é vergonha nenhuma procurar um ombro amigo.

    Todas as perdas são sentidas e a perda de um pet mais ainda, pois eles são companheiros para todas as horas e quando não estão presentes em casa fica um vazio muito grande.

    Realizar um ritual de despedida

    De acordo com Adriana Nunan, a realização de um ritual de despedida pode ajudar a elaborar melhor o sentimento de perda, ajudando no encerramento de um ciclo. O ritual não precisa ser muito elaborado, só precisa fazer sentido para você.

    Pode ser um momento em família ou mesmo uma cerimônia de enterro do animal. Deve ser algo que seja relevante para todos os envolvidos.

    Em alguns casos, as pessoas até mesmo plantam uma árvore onde o animal é enterrado ou os enterram em sua propriedade, no jardim, por exemplo. Acendem velas, fazem orações, um altar com fotos e lembranças do pet, enfim, não importa o que seja, o importante é fazer algo significativo para as pessoas envolvidas com a perda do pet.

    Muitas pessoas também gostam de agradecer por todos os momentos de amor e facilidade vividos com o pet.

    Crie memórias afetivas e objetos de lembranças

    Juntar algumas fotos e criar um álbum físico com todos os momentos importantes que passaram junto ao pet pode ser uma forma de lidar com o luto. É interessante realizar uma doação dos pertences do cachorro a um abrigo de animais. Isso pode ajudar você a se sentir melhor, é claro, mas não precisa se desfazer de tudo.

    Guarde aquilo o que achar necessário como lembrança desde que não lhe faça mal ter aqueles objetos ou lembranças por perto. Afinal, cada um lida de uma forma diferente com esse assunto de guardar ou não objetos dos pets.

    Coverse com seus filhos

    Não é uma boa ideia mentir para as crianças. Muitas pessoas preferem dizer que o cão foi embora ao contar a verdade, mas é importante ser honesto com as crianças. Caso contrário, poderá ser mais confuso para elas a longo prazo.

    Uma hora as crianças vão querer saber para onde seu cachorrinho foi e você terá que contar a verdade. Por isso, o quanto antes isso acontecer, melhor. É importante dizer as crianças que está tudo bem se ela estiver se sentindo triste porque você também está.

    O peso da culpa

    Muitas pessoas que perdem seus pets acabam se sentindo culpados de alguma forma. Acham que poderiam ter feito mais ou levado o seu pet ao veterinário antes e assim por diante.

    Mas é importante saber que assim como as pessoas, os animais também morrem e não é culpa de ninguém, muito menos de quem cuida com tanto amor e carinho. Não deixe que os sentimentos negativos permaneçam em sua mente, lembre-se dos bons momentos vividos ao lado de seu pet.

    Procurar ajuda profissional

    A dor da perda é muito ruim e complicada. Por isso, muitas vezes fica difícil demais lidar com isso sozinho. Se for esse o caso, procure ajuda de um especialista, como um psicólogo especializado em luto.

    É importante não ignorar os sentimentos, pois eles podem virar uma depressão. Só quem perde um animal de estimação sabe o impacto que a perda traz a vida de uma pessoa ou de uma família.

    A vida continua

    Todos nós sabemos que a vida deve continuar independentemente da partida de seu pet. Mesmo sendo doloroso, isso é a vida e devemos seguir em frente. É importante voltar a rotina, principalmente em relação ao trabalho.

    Contudo, outras atividades podem ajudar a melhorar e ajudar você a seguir em frente. Procure uma atividade física de seu gosto, leia, veja filmes ou séries. Enfim, procure uma distração.

    Isso fará com que sua mente fique ocupada com coisas produtivas e, pouco a pouco, acaba ajudando a pessoa seguir com sua vida.

    Deixe um comentário