• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Você sabe o que é um columbário? Entenda o que significa agora!

    Columbário: entenda agora  o que significa!

      O columbário trata-se de um local muito importante para os falecidos. Nesse artigo você entenderá o significado e importância desse lugar e como houve um aumento de procura dele em todo Brasil!

    O termo columbário pode ser indiferente a maioria das pessoas, talvez por sua falta de popularidade, o seu nome soa um pouco estranho ou, porque as pessoas preferem ser enterradas tradicionalmente, por questões religiosas e culturais.

    No entanto, trata-se de um local muito importante para muita gente que já se foi e também para seus familiares e amigos.

    Esse local existe há muito tempo e foi originado na Roma Antiga, entre os primeiros séculos d.C. Atualmente, permanece um pouco desconhecido, porém vem ganhando popularidade e tende a crescer muito mais!

    Já que garantem uma economia de espaço significativa no cemitério e se assemelha a um memorial de entes. Os locais reservados para o columbário, geralmente são climatizados, com assentos aconchegantes e dispõem de vários itens para uso dos visitantes.

    Benefícios Sociais INSS

    Quer saber mais sobre esse local parcialmente conhecido? Continue a leitura e confira! Bom proveito!

    O que é um columbário? 

    O columbário é um local específico que existe em alguns cemitérios e serve para armazenar urnas com cinzas de pessoas que foram cremadas. Em algumas regiões do país é conhecido como cinerário. 

    É importante saber que as cinzas do ente podem ou não, ficarem no columbário, essa é uma decisão que apenas as famílias devem tomar.

    Em alguns casos, os familiares preferem jogar as cinzas em locais que tinham importância para o falecido, como: praias, rios, lagos, jardins ou estádios. Um fato curioso é que hoje é possível transformar as cinzas em uma árvore.

    As cinzas podem ser armazenadas em urnas especiais para serem mantidas no columbário ou até em casa. No primeiro caso, é preciso informar antecipadamente ao cemitério que eles irão passar algumas informações, como:

    • Valores;
    • Termos de uso;
    • Horários de visitação;
    • Tipos de urnas mais adequadas;
    • Acondicionamento das urnas; 

    Entenda sobre as urnas dentro e fora do columbário 

    Como visto, as urnas são utilizadas para a conservação das cinzas.

    Contudo, é interessante ter o conhecimento prévio das seguintes questões: materiais que são feitas, qual o material adequado para cada lugar que serão depositadas e que modelo se identifica mais com o falecido. 

    Podem ser expostas no columbário, na sua casa ou em locais específicos. Veja os exemplos a seguir.

    Urnas temáticas

    Se você prefere homenagear o seu ente inspirado em algo que ele gostava muito, essa urna é uma boa opção. Esses modelos são personalizados, onde você pode pedir para desenhar algo que se identificava com os traços da personalidade do finado. 

    Existem modelos adequados para crianças também. Infelizmente, quando elas se vão muito cedo, é possível eternizá-las com desenhos ou personagens infantis, lembrando a inocência que existia no universo delas.

    Urnas de metal ou aço inoxidável 

    Esse modelo é o mais resistente desta lista. Geralmente são caracterizadas pelo seu alto padrão e costumam ter o valor mais alto que as demais no mercado.

    Contudo, ela pode ser exposta ao tempo sem sofrer danos em seu material. Sendo assim, em qualquer ambiente sua forma é mantida intacta.  

    Urna exposta ao ambiente aberto 

    Urnas de madeira

    Essa urna é muito comum e possui um toque rústico e elegante. Pode ser produzida em vários modelos e personalizações.

    No entanto, não é tão resistente ao tempo e ao clima, por isso as pessoas optam pelas que são pintadas com verniz marítimos, pela durabilidade que elas podem adquirir. 

    Urnas de pedras

    Estas podem ser produzidas em mármore ou granito, entretanto existem outros modelos com variados materiais. São adequadas para a exposição no jardim de casa, pelo seu forte apelo estético.

    Urnas hidrossolúveis

    Esse modelo é adaptado para adicionar as cinzas após serem cremadas. Neste caso, ela é adequada para as pessoas que pensam em aspergir as cinzas do ente querido no mar, lagos ou rios. 

    Elas são construídas a partir de argila  com forro interno de folhas de bananeira.

    Quando chegam à água, dissolvem com o tempo e liberam as cinzas sem poluir o meio ambiente.

    Além disso, existem os modelos feitos de papel reciclável, folhas, areia e tintas naturais, permitindo o afundamento de liberação das cinzas debaixo d’água.

    Urnas ecológicas

    Essas urnas têm um papel muito importante no meio ambiente. São utilizadas para acondicionar as cinzas após a cremação com um detalhe especial: podem transformar as cinzas do seu ente querido em uma árvore. 

    Isso acontece porque as cinzas, após serem acondicionadas, servem de adubo para germinação da árvore, fazendo da morte apenas uma etapa do ciclo da vida. 

    A urna biodegradável é um mesclado de duas partes: a parte com as sementes que originam a árvore e a outra parte é destinada ao armazenamento das cinzas. Quando for plantada no solo, ela começará a se decompor. Incrível, né? 

    Urna de bronze 

    Esse modelo é mais frágil e ideal para ser mantido em casa como adereço decorativo. Ou seja, não é recomendável deixá-la exposta ao clima, visto que é vulnerável à oxidação. Possui detalhes bem sofisticados e medievais. 

    O columbário é uma referência histórica 

    O columbário foi oriundo da Roma Antiga. Seu aspecto era totalmente diferente dos que conhecemos hoje em dia.

    Os espaços construídos durante o primeiro século d.C., eram subterrâneos e seu objetivo partia dos rituais fúnebres, conforme a tradição dos antigos romanos que eram baseados nas leis antigas.

    Na década de 30, foram descobertos dois columbários romanos localizados no número 2 da Villa Pescar, durante as obras de construção de edifícios modernos que existem hoje no local.   

    Precisamente, em 29 de junho de 1932, foi descoberto o primeiro, dias depois foi descoberto o segundo ao lado, porém as estruturas eram diferentes. 

    O primeiro tinha um tamanho reduzido, contando com duas edículas laterais que abrigavam as urnas. Suas paredes eram revestidas de reboco e o teto tinha imagens com fitas e formas geométricas. 

    Também foi encontrada uma abóbada(construção comum da idade média) com formas geométricas e flores. 

    Em uma delas havia uma pintura que consistia na imagem da deusa romana Fortuna. Segundo os pesquisadores e arquipélagos, esse túmulo remete ao século I.

    No segundo columbário, foram encontrados 10 nichos com vasos para cinzas dos defuntos e mais três sepulturas tradicionais. 

    Havia um molde de uma criança e letras gregas. As paredes eram rebocadas e o teto tinha a forma de um arco de berço. Este túmulo é posterior ao primeiro, que foi datado no século II.

    Noutra parte da Roma, haviam columbários com grandes câmaras subterrâneas que enterravam e cremavam os restos mortais.

    Após esse processo, as cinzas eram colocadas em pequenos nichos nas paredes, ao lado eram postas placas comemorativas e esculturas com a imagem do falecido para homenageá-lo. 

    Imagem de um columbário na Roma Antiga 

    O columbário atualmente no Brasil 

    Diferentemente da forma de cremação da Roma Antiga, hoje contamos com formas específicas que apenas um corpo pode ser cremado por vez. Isso quebra um mito que as pessoas falam por aí, julgando a cremação como algo negativo, segundo esses boatos, a família tem chances de levar as cinzas de outra pessoa, mas não é verídico. 

    Cada incinerador atinge 1000 °C, habilitado para evaporar a carne, cabelo e ossos. Passando esse processo as cinzas se transformam em apenas alguns minerais(substâncias da composição óssea), porém resistentes ao calor excessivo. A partir disso, as cinzas são entregues à família que decidirá o destino da matéria morta. 

    Cremação e os impactos positivos no meio ambiente

    A cremação faz toda diferença atualmente, principalmente quando se trata de problemas ambientais. Isso porque o método não libera fumaça, nem cheiros e não gera nenhum tipo de contaminação. 

    Os crematórios precisam seguir regras ambientais rigorosas, garantindo que todo processo liberado seja filtrado. Sem isso são proibidos de funcionar. 

    Além disso, as cinzas produzidas pela cremação se compõe de potássio e cálcio, ou seja, substâncias que não representam nenhum perigo ao meio ambiente. 

    É bastante eficaz para as famílias que optam depositar as cinzas do ente querido em lugares públicos como mar ou rio. Esse procedimento também é altamente seguro para os restos mortais serem guardados em casa ou nos columbários.

    Vale ressaltar que as pessoas que querem ser cremadas quando forem a óbito, devem manifestar essa vontade ainda em vida, é possível fazer uma declaração de vontade, que é reconhecida pelo cartório. Caso contrário, o processo de cremação fica à mercê dos familiares, que podem não respeitar seu desejo, devido a razões religiosas, entre outros. 

    Como a procura por columbários aumentou no Brasil 

    Com a chegada da pandemia e o agravamento da covid-19, infelizmente o número de mortes aumentou muito. Com isso, a cremação e procura por columbários em todo Brasil cresceu muito, por conta do grau de transmissão da doença. 

    No Rio de Janeiro, por exemplo, segundo as estatísticas dos cemitérios mais famosos, o serviço dos columbários tiveram um acréscimo de 121%. 

    As famílias que optam pela cremação, estão com receio de voltarem ao local para buscar as cinzas dos familiares neste momento de pandemia e preferem mantê-las no columbário, independentemente da causa da morte. Dessa forma, ganham tempo para pensar no destino dos restos mortais do ente querido”, afirma o gerente de relacionamento de um dos cemitérios, Rogério de Oliveira.

    Já em São Paulo, a Secretaria Municipal de Subprefeituras abriu negociação com seis crematórios particulares, visando ampliar a capacidade atual que atende por volta de 48 cremações por dia e atingiu o limite. 

    Segundo Alexandre Modonezi, o secretário municipal das subprefeituras, as unidades privadas forneceram mais de 50 vagas por dia. 

    ” A intenção é contratar pelo mesmo valor cobrado do crematório municipal. A pessoa irá pagar pelo serviço municipal para contratarmos o serviço particular”, disse. 

    Qual a melhor opção para o enterro?

    São Paulo conta com um amplo número de cemitérios e crematórios para sua escolha. Antes de contratar os serviços, verifique todos os requisitos e condições que cada um apresenta. Afinal, seu ente merece o melhor lugar para ser cremado ou sepultado, não é mesmo? 

    Além disso, você pode escolher como quer sepultado, a partir dos planos funerários que são cobradas algumas taxas mensais para melhor atender às suas necessidades. 

    Nesse artigo abordamos o que é um columbário, falamos um pouco sobre a história deste local, todo o processo que é feito, como pode ajudar no meio ambiente e o avanço que o serviço de columbário obteve durante a pandemia.  

    Deixe nessa caixa abaixo o seu comentário com dúvidas ou falando como esse artigo te ajudou, pois, nossa missão é trazer informações e curiosidades para você! Para mais detalhes, veja os outros artigos do nosso blog e até a próxima!

    Deixe um comentário