• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Você sabe o que é reencarnação? Entenda o seu significado!

    Veja neste artigo todas as informações, significados e considerações em volta da reencarnação e quando ela ocorre, de acordo com diversas religiões.

    Engana-se quem pensa que o significado de reencarnação é apenas o ato no qual a alma sai do corpo de um recém-falecido e reencarna em outro que acabou de nascer.

    Isso porque o simbolismo desse processo vai muito além e já é debatidos há séculos por filósofos, religiosos e até biólogos.

    Desse modo, a reencarnação, de maneira geral, tem sido estudada há milhares de anos e por muitas vezes é a ideia central de vários sistemas filosóficos e religiosos. 

    Com base nesses estudos, até a possibilidade de ocorrer reencarnação em animais é considerada, amenizando assim, a dor do luto. 

    Quer saber mais sobre esse assunto? Então, acompanhe o artigo até o final e descubra todos os mistérios em volta dessa palavra tão forte com um significado gigantesco! Boa leitura!

    Afinal, qual o significado de reencarnação?

    Segundo as pesquisas feitas sobre esse tema, nós, humanos, somos seres formados de matéria e espírito.

    Assim, de acordo com algumas teorias e religiões, existe uma parte do ser que é capaz de subsistir o corpo físico após a morte, sendo conhecida em diferentes linhas de pensamento, como: espírito, alma e consciência. 

    Sendo assim, a morte do corpo físico não é necessariamente vinculada com a morte da alma, que pode ser associada a outros corpos para fins específicos, entre eles estão: maior autoconhecimento, evolução ou anulação de um carma. 

    Qual é o conceito de reencarnação nas religiões?

    Pitágoras, filósofo e matemático nascido em 570 a. C. defendia, a caráter filosófico, uma lógica de reencarnação que é base para muitas religiões e filosofias modernas. 

    Assim, apesar de a reencarnação ter um destaque maior na doutrina do espiritismo, o catolicismo apresenta um elemento chave que promove uma certa ligação com esse termo. 

    Veja, a seguir, a reencarnação pelo ponto de vista de cada religião que acredita nela.

    Hinduísmo

    No conceito hinduísta, a alma é imortal e após a morte passa um tempo em outro plano de existência e depois retorna, sendo associada a outro corpo.

    Para eles, as condições de nascença do ser humano são derivados do seu carma, ou então, é o reflexo de sua conduta em vidas anteriores.

    Sendo assim, a possibilidade de reencarnar como vegetal ou animal é existente. 

    O ciclo dos renascimentos são interrompidos no momento em que atingem o grau evolutivo mais alto e se une ao definitivo nirvana. 

    Budismo

    Na crença budista, o conceito de reencarnação possui semelhança ao conceito do hinduísmo, com algumas ressalvas. 

    Segundo os budistas, a morte encerra a existência de um ser, mas serve de base para o nascimento de outro. A princípio em um plano não-material, posteriormente no reino terrestre. 

    Sendo assim, a lei do carma faz parte desse ciclo, por isso a reencarnação no budismo é chamada de renascimento. 

     Imagem ilustrativa de alguém reencarnando

    Espiritismo 

    Conforme o pensamento de Allan Kardec, codificador do Espiritismo no mundo, a reencarnação trata-se de um processo obrigatório que acontece sucessivamente. 

    Sendo assim, a alma vai reencarnando até se tornar um espírito puro

    Segundo Kardec, a reencarnação abre um caminho para o melhoramento da alma, podendo ser aperfeiçoado intelectualmente, por meio do trabalho e estudo. Já moralmente, a alma pode ser engrandecida através do amor ao próximo e pela caridade.

    Em resumo, a reencarnação no espiritismo é vista como uma benção para o espírito por ser uma oportunidade de progresso. 

    Esse momento é tão sagrado no espiritismo que caso haja algum processo de cremação, o cemitério ou assistência funerária deve respeitar o período de 72 horas antes de realizá-lo, para que a alma se desligue do corpo por completo.

    Também é considerada uma prova de justiça divina que aperfeiçoa a alma, ao invés de mandá-la para um julgamento maniqueísta.

    Cristianismo

    Os cristãos não acreditam em reencarnação, por outro lado, creem na ressurreição. 

    A visão pós-morte do cristianismo consiste em algo bem objetivo, para eles ao deixar o plano material o homem deixa de ser submetido ao tempo e espaço, dessa forma o céu e inferno não são espaços geográficos e sim um estado.

    Por isso, é realizado o sepultamento como ritual de passagem. No entanto, após a morte o espírito é enviado ao purgatório, onde tem a oportunidade de se redimir dos seus pecados.

    Contudo, o destino da alma será decidido no juízo final. Então, as boas almas ressuscitarão e viverão ao lado do Criador, enquanto as más ficarão eternamente no inferno.  

    Qual o conceito de reencarnação para a ciência?

    No campo científico, ainda que a reencarnação tenha sido um método de estudo através de séculos, antes mesmo do surgimento de Cristo, ainda não foram encontradas provas científicas que garantam a sua existência.

    No entanto, um estudo feito pelo psiquiatra Dr. Ian Stevenson, da Universidade de Virgínia dos Estados Unidos, apontou que durante 40 anos foram evidenciados mais de 300 casos de reencarnação

    Confira abaixo os resultados do estudo e algumas críticas ao método adotado.

    Resultado do estudo 

    Os resultados foram bem expressivos e feitos com crianças, por conta de ser um período da vida em que evidências e histórias de casos aparecem.

    Sendo assim, foi concluído que quando a criança conta uma história sobre sua vida passada, a mesma é levada a sério, isso acontece porque a criança acaba esquecendo ou o cérebro bloqueia tais lembranças. 

    Ainda sobre esse denso estudo, foram captados alguns sinais, confira:

    • Vestígios de reencarnação em marcas de nascença: foi utilizado um software de reconhecimento facial, comparando as marcas de nascença com uma suposta marca de ferimento letal de vidas passadas. Com isso, foi concluído que algumas crianças analisadas realmente possuíam marcas que supostamente tinham relação com outra vida, considerando também os relatos delas.
    • Memórias questionáveis de vidas passadas: alguns relatos identificaram memórias impossíveis nas vidas atuais das crianças. Conforme os estudos em 3 crianças, foi possível verificar memórias de outras vidas. No total, foram 40 memórias onde 92% delas foram verificadas como corretas.
    • Fobias de vidas passadas: para o pesquisador, algumas fobias inexplicáveis das crianças tinham relação direta com a forma de falecimento em outras vidas. Foi relatado que 30% das crianças, em cerca de 390 casos, demonstraram que os temores estavam interligados com a maneira em que morreram. A comprovação foi feita através de regressões.

    A improbabilidade da reencarnação vista pela ciência 

    Alguns críticos do trabalho do Dr. Stevenson se posicionam, julgando que o método de pesquisa do mesmo foi ineficaz para afirmar qualquer evidência de que a  reencarnação é real. 

    “O maior problema com o trabalho de Stevenson é que os métodos usados por ele para investigar os alegados casos de reencarnação são inadequados para eliminar, como explicação, a simples imaginação das crianças que alegam ser reencarnações”, afirma o neurologista Terence Hines no livro “Pseudoscience and the Paranormal”.

    Stevenson sabia que tinha algo que não fazia muito sentido em seus métodos, ele costumava chamar tais casos de sugestivos e evitava falar sobre esse tema ou usar esses casos como parâmetro para algo. 

    Ainda assim, não demonstrava frustração ou dúvida, em algumas situações, ele sempre achava que a melhor alternativa consistia em aspectos do além e mensagens de outros planos com informações muito fortes. 

    Outras críticas 

    Após Leonard Angel analisar um dos mecanismos exercidos pelo Stevenson, em um dos seus casos mais bem-sucedidos, com alto poder de convencimento, foram encontradas falhas enormes.

    Champe Ramson, que dedicou alguns anos de sua vida trabalhando como auxiliar do Stevenson, também faz parte dos críticos sobre os mecanismos utilizados nos testes.

    Além dessas questões da metodologia adequada, toda essa mobilização para deixar a posição da reencarnação sobre as bases científicas como algo de relevante é falha, pois, logo chega o questionamento de “o quê”  está sendo reencarnado.

    Visto que as neurociências possuem explicações completamente divergentes a essa linha de pensamento pós-morte.

    Na ciência, quando o ser humano morre, qualquer tipo de comunicação com o mundo dos mortos é desconsiderada, porque acredita-se que o cérebro (maior responsável pelo funcionamento do corpo humano) é desintegrado do corpo, durante a sua decomposição.

    Logo, conclui-se que do ponto de vista científico a ideia de reencarnação é totalmente incompatível, porém, isso não anula que as religiões podem postular deuses e entidades além do físico.

    A reencarnação pode ocorrer com animais?

    Heródoto, historiador grego do século V a. C., pode ter sido o primeiro erudito a documentar os conceitos de reencarnação. Na visão dele, esse ato participa da doutrina egípcia.

    Essa doutrina defende que a reencarnação ocorre exatamente no momento no qual a pessoa morre. Assim, a alma reencarna simultaneamente em um ser no momento do seu nascimento. Isso se aplica a qualquer criatura da terra, água ou ar.

    Sendo assim, a ideia de que os animais podem ser reencarnados surgiu desse pensamento e até hoje é pregada até em algumas religiões. 

    No entanto, essas considerações foram se reformulando ao passar dos anos. Veja a seguir alguns pensamentos acerca disto.

    Pessoa supostamente reencarnando com seu cachorro 

    Famoso espírita Chico Xavier

    “Os animais possuem alma, estão em caminhos de evolução.”

    Essa frase foi dita pelo saudoso Chico Xavier. Segundo ele, quando os cães são tratados com amor e carinho, após o seu desencarne, podem permanecer até 4 anos ao lado do seu tutor.

    É uma maneira de não sofrerem e aceitarem a morte. Além disso, voltam a ter a mesma vitalidade de quando eram filhotes.

    Os animais, diferentemente dos homens, não possuem o tempo de erraticidade (termo usado para definir o tempo entre uma reencarnação e outra). 

    Portanto, ao morrerem a sua alma ou energia vital é atraída de forma magnética e por afinidade a outro processo de reencarnação e assim vão progredindo. 

    Quando nós amamos o nosso animal e dedicamos-lhe sentimentos sinceros, ao partir, os espíritos amigos o trazem de volta para que não sintamos sua falta. Nós seres humanos, estamos na natureza para auxiliar o progresso dos animais, na mesma proporção que os anjos estão para nos auxiliar. 

    Por isso, quem maltrata um animal vai contra as leis de Deus, porque Suas leis são da preservação da natureza. E, com certeza, quem chuta ou maltrata um animal é alguém que ainda não aprendeu a amar,” explicou Chico Xavier.

    É assertiva a ideia de reencarnação de animais? 

    Segundo algumas pesquisas feitas por especialistas, a reencarnação dos animais é um passo muito importante para a evolução destas espécies. 

    Animais domesticados que viveram com famílias nunca regrediram para um ambiente selvagem, ou seja, não se deve criar uma preocupação sobre um paradeiro perigoso que possa existir. 

    Os animais reencarnam em ambientes solícitos aos seus níveis de evolução, procurando sempre meios e condições para uma evolução progressiva. 

    Dessa forma, a alma de alguns animais, como o cachorro, pode retornar rapidamente para seu dono, através de outro que nasça.

    Entretanto, isso só pode ocorrer por merecimento e mérito do humano, isso nos conecta com a ideia de que assim como, nós, seres humanos, que buscamos a evolução em direção a Jesus, os animais buscam a evolução em direção à nós.

    Nesse artigo falamos sobre tudo que envolve e se acredita sobre a reencarnação de humanos e animais.

    Gostou deste conteúdo? Você pode se informar muito mais assinando a nossa newsletter! Venha conhecer nosso serviço e acesse o nosso blog.

    Deixe um comentário