• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Saiba quais são os diferentes tipos de morte e o que fazer nessas circunstâncias

    Entenda que procedimentos você deve realizar em cada ocorrência de óbito e que medidas tomar para evitar os diferentes tipos de morte!

    Caixão sendo conduzido para o funeral

    Embora seja um evento certeiro para cada um de nós, a morte ainda é um assunto evitado pela maioria das pessoas. Já que, o tabu que envolve o óbito impede que as pessoas conheçam os diferentes tipos de morte e assim consigam se precaver de possíveis óbitos que podem ser evitados, como as mortes acidentais, por exemplo.

    Apesar de ser um tema delicado e sensível para boa parte das pessoas, é preciso que tenhamos informações para que possamos nos proteger e fornecer segurança para aqueles que amamos. 

    Assim, no conteúdo de hoje, reunimos dados importantes acerca dos tipos mais comuns de morte e o que pode ser feito para evitar que esses óbitos ocorram. Acompanhe a leitura para entender mais sobre o assunto e aproveite!

    Quais são os tipos de morte?

    jazigos com flores

    O óbito de um indivíduo pode ser categorizado de três formas: morte natural, morte suspeita (também chamada de morte violenta) e morte acidental. 

    Estes tipos de falecimento são enquadrados nessas categorias de acordo com as suas características, tendo em vista que cada um deles possui suas particularidades. 

    Conheça, a seguir, os três tipos de mortes e quais são as ocorrências que podem integrar cada uma dessas esferas.

    Morte natural 

    A morte natural, cuja nomenclatura também pode ser morte por causas naturais, é ocasionada, como o próprio nome sugere, por circunstâncias internas ao indivíduo, como doenças ou distúrbios no funcionamento correto do corpo.

    Esta morte é denominada dessa forma justamente por não estar relacionada a fatores externos, isto é, não possui relação com circunstâncias exteriores ao indivíduo, mas é ocasionada por aspectos inerentes à ele. 

    Algumas das causas mais comuns da morte natural são as doenças terminais, o mal súbito e o envelhecimento, processo biológico natural pelo qual todos nós iremos passar. 

    Doenças terminais 

    As doenças consideradas terminais são aquelas em que o quadro do paciente é irreversível, ou seja, não há como recuperar o seu estado de saúde. 

    As doenças terminais culminam no falecimento do paciente que pode acontecer a curto ou médio prazo, a depender do estágio da doença. 

    Algumas das doenças consideradas terminais não são necessariamente irreversíveis, mas podem tornar-se, caso o tratamento seja iniciado de maneira tardia, como é o caso do câncer, por exemplo. 

    Outros exemplos de doenças terminais são:

    • Esclerose lateral amiotrófica;
    • Doença do neurônio motor;
    • Mal de Alzheimer;
    • Mal de Parkinson;
    • Doença cardíaca avançada;

    O que fazer nestes casos?

    Infelizmente, conforme mencionamos, as doenças elencadas são potenciais doenças terminais. 

    Por isso, o ideal a ser feito é buscar auxílio médico assim que os primeiros sintomas forem observados a fim de investigar e obter um diagnóstico preciso. 

    Com o diagnóstico em mãos, o tratamento deverá ser iniciado e poderá assegurar a ampliação dos anos de vida do paciente. Assim, é fundamental procurar ajuda médica e ser devidamente acompanhado. 

    Mal súbito 

    Um outro fator bastante comum das mortes naturais é o mal súbito. Este tipo de ocorrência quase sempre é fatal devido a rapidez com a qual o mal acomete o corpo do indivíduo, assim, quase nunca o atendimento é realizado em um tempo hábil.

    Ele ocorre de forma inesperada e pode ser ocasionado por diferentes doenças, como:

    • Arritmia;
    • Diabetes;
    • Infarto;
    • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
    • Insuficiência cardíaca

    O que fazer nestes casos?

    Devido ao seu caráter imprevisível, não há como saber quando e se você passará por um episódio como este em algum momento da vida. Contudo, algumas medidas podem ser tomadas para evitar o mal súbito

    Algumas das ações que podem ser adotadas são: realizar exames de rotina periodicamente para investigar se há alguma predisposição, manter um estilo de vida saudável, privilegiando uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos, beber bastante água e evitar cargas de estresse excessivas. 

    Envelhecimento

    O envelhecimento é um processo natural que se descortina para cada um de nós a cada ano. 

    É natural, portanto, que com o tempo o nosso corpo comece a se deteriorar. Nesse sentido, o envelhecimento figura como uma das principais causas da morte natural, tendo em vista que é uma etapa primordial do ciclo da vida. 

    O que fazer nestes casos?

    Não há como evitar o envelhecimento, afinal, ele é o destino de todos nós. Entretanto, é possível garantir uma velhice saudável, segura e com uma expectativa de vida maior tomando todas as medidas necessárias previamente. 

    Investir em um estilo de vida saudável e moderado é o melhor caminho para assegurar uma velhice tranquila e serena. 

    Morte suspeita/violenta

    A morte suspeita ou violenta, por outro lado, é oriunda de fatores externos à pessoa falecida, não tendo relação alguma com a sua saúde ou o funcionamento do seu corpo, por exemplo. 

    Além disso, ela é caracterizada pelo uso de violência e agressões à integridade física do indivíduo. 

    Dessa forma, este tipo de morte é denominado como morte suspeita porque, geralmente, são iniciadas investigações para descobrir a causa mortis. 

    Os dois tipos mais comuns de morte suspeita ou violenta são o assassinato e o suicídio, como você pode observar a seguir.

    Assassinato

    Lamentavelmente, os assassinatos são as causas mais comuns do tipo de morte suspeita. Isto ocorre devido ao grande nível de insegurança que vivenciamos. 

    Desse modo, infelizmente, este tipo de óbito é recorrente e, muitas vezes, inevitável, haja vista que somos pegos de surpresa quase sempre. 

    Suicídio

    O suicídio, por sua vez, também é um dos aspectos da morte suspeita. Neste caso, o indivíduo compromete a integridade física de seu próprio corpo, atentando contra a sua vida. 

    A causa mais comum do suicídio são as doenças psicológicas, dentre as quais a depressão destaca-se. Esta também é considerada uma morte suspeita, pois há a necessidade de investigar o modo como o suicídio foi executado e suas motivações. 

    O que fazer nestes casos?

    Como pontuamos, o suicídio é motivado, em grande parte das vezes, por transtornos mentais. Desse modo, a melhor forma de evitar esta morte é buscando ajuda profissional, ou seja, recorrer ao acompanhamento psicológico ou psiquiátrico

    É preciso, também, que as pessoas próximas ao indivíduo sejam presentes em sua vida e forneçam amparo, acolhimento e apoio, para que, dessa forma, ele possa se sentir encorajado a lidar de forma mais saudável com a sua doença.

    Morte acidental

    Um outro tipo de morte registrado é a morte acidental, que ocorre devido a uma casualidade, ou seja, situações eventuais e inesperadas. Este tipo de morte costuma ser impactante, devido ao seu teor imprevisível. 

    As mortes acidentais mais comuns são aquelas que acontecem quando há o envolvimento de algum meio de transporte. Entretanto, também podem ocorrer no ambiente domiciliar e até mesmo no trabalho. 

    Acidentes envolvendo meios de transporte 

    Colisão entre veículos, capotamentos e atropelamentos são alguns dos acidentes mais comuns que podem ocasionar uma morte acidental. 

    Boa parte desses acidentes são causados, infelizmente, devido a imprudências no trânsito, como motoristas alcoolizados, veículos em alta velocidade, etc. 

    Nesse sentido, é fundamental que campanhas conscientizadoras sejam difundidas a fim de evitar este tipo de acidente e impedir que mais óbitos aconteçam. Além, é claro, de uma intensa fiscalização com o objetivo de coibir a prática da direção alcoolizada e imprudente.

    Acidentes domésticos 

    É fato que o ambiente domiciliar representa conforto, segurança e afeto para boa parte das pessoas, mas a nossa casa também pode oferecer alguns perigos, caso não estejamos atentos. 

    As mortes acidentais também abarcam os acidentes que ocorrem na residência, os quais, na maioria das vezes, poderiam ser evitados. 

    Assim, algumas das mortes em residência mais comuns são as queimaduras causadas pelo fogão, as quedas e possíveis infortúnios envolvendo o gás de cozinha. Confira mais sobre esses casos abaixo:

    Queimaduras causadas pelo fogão

    A substituição do gás de cozinha pelo álcool é uma prática adotada por algumas famílias, principalmente agora com o preço do gás cada vez mais elevado. 

    Contudo, apesar da economia, esse tipo de prática oferece inúmeros riscos que podem culminar na morte de uma ou mais pessoas. 

    Além disso, essa substituição pode resultar em queimaduras extremamente graves e levar o indivíduo exposto a óbito. 

    Ademais, para além dos riscos do álcool unido ao fogo, as crianças também correm inúmeros riscos no ambiente domiciliar devido ao seu desconhecimento acerca dos perigos. 

    Já que, brincar com o fogão pode ocasionar um acidente fatal e por isso deve-se tomar bastante cuidado para evitar esses acidentes.

    Quedas

    As quedas também são abarcadas pela morte acidental. Mais comum entre idosos, devido a fragilidade da musculatura, uma queda de grande impacto pode culminar, na pior das hipóteses, no falecimento de uma pessoa. 

    Contudo, embora seja mais comum entre pessoas idosas, as quedas podem ocorrer com pessoas de qualquer faixa etária, uma vez que são submetidas a situações arriscadas, como subir em escadas ou reparar telhas, por exemplo. 

    Inalação do gás de cozinha

    É preciso ser prudente no que diz respeito ao gás de cozinha, tendo em vista que o vazamento deste gás pode ocasionar explosões e incêndios de grandes proporções colocando, por conseguinte, toda a família em risco. 

    Geralmente, este vazamento ocorre devido a algum descuido com o fogão, por isso é fundamental verificar se o registro está fechado adequadamente e manter as crianças longe da cozinha, pois, devido à sua ludicidade, elas podem querer brincar com o fogão e acabar causando algum transtorno.

    O que fazer nestes casos?

    Certifique-se de que a sua casa é, de fato, um ambiente seguro para você e sua família. Esteja atento aos possíveis fatores de risco e providencie alternativas de segurança, como tapetes antiderrapantes e corrimão nas escadas para evitar quedas.

    Evite fazer combinações entre substâncias que possam causar algum perigo de explosão ou intoxicação. Construa um ambiente seguro e confortável para você mesmo e para os seus. 

    Acidentes no ambiente de trabalho

    Algumas profissões oferecem riscos expressivos aos trabalhadores, inclusive, riscos à sua vida. Os acidentes no ambiente profissional são mais comuns do que imaginamos e podem ser mortais. 

    Abaixo, você conhecerá algumas das mortes mais recorrentes no contexto laboral. 

    Queda de grandes alturas

    Faz parte do cotidiano de trabalho de vários profissionais de diversos segmentos a necessidade de subir grandes alturas, como a área da construção civil, por exemplo. 

    Dessa forma, as alturas elevadas apresentam um grande risco, especialmente quando o ambiente de trabalho não cumpre rigorosamente os protocolos de segurança. 

    Choques elétricos

    Um outro fator das mortes acidentais no ambiente de trabalho são os choques elétricos, comuns na rotina de quem trabalha com serviços de manutenção da rede elétrica  Contudo, este risco não limita-se somente aos profissionais desta área.

    Qualquer pessoa em contato com fios desencapados ou fontes não isoladas pode vir a óbito, dependendo da intensidade da corrente elétrica recebida. 

    Explosões e incêndios

    A presença de substâncias inflamáveis em um local de trabalho também pode significar um risco imenso à vida dos trabalhadores. Essas substâncias podem provocar explosões e incêndios, os quais podem levar a óbito várias pessoas. 

    O que fazer nestes casos?

    Verifique se na empresa em que você trabalha os protocolos de segurança são obedecidos e propiciam segurança aos trabalhadores. 

    Veja, também, se há a presença de um técnico em segurança do trabalho atuando na companhia e orientando acerca de todos os procedimentos que devem ser feitos para evitar possíveis acidentes. 

    Que providências tomar nos diferentes tipos de morte?

    homem assinando documento

    O falecimento de uma pessoa querida é sempre um acontecimento que nos deixa desnorteados e fragilizados, afinal, toda perda é carregada de sofrimento, mesmo que ela já seja esperada. 

    Entretanto, a despeito de toda a dor que a morte traz consigo, é preciso tomar algumas providências legais no momento em que ocorre o óbito de uma pessoa. Você sabe quais são essas providências? Acompanhe, a seguir, o que fazer nos diferentes tipos de morte. 

    Morte suspeita e acidental

    Como você pôde constatar ao longo da leitura, a morte suspeita é caracterizada pelo uso de violência e o ataque à integridade física de alguém e a morte acidental é oriunda de alguma fatalidade. 

    Nestes dois tipos de morte, o procedimento a ser realizado é um pouco mais complexo. O primeiro passo a ser dado é direcionar-se ao distrito policial mais próximo e registrar o falecimento. 

    Após esta etapa, o corpo será encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para que sejam iniciadas as investigações a respeito da causa mortis. O atestado de óbito será emitido, posteriormente, pelo próprio médico legista que recebeu o corpo.

    É muito importante que o corpo seja direcionado para o IML, pois os dados levantados pelo médico legista podem contribuir significativamente para as investigações policiais, nos casos em que a morte não é identificada previamente. 

    Morte natural

    Já nos casos em que a morte é considerada natural, o corpo é direcionado para o Serviço de Verificação de Óbito (SOV)

    Este órgão é responsável por elucidar as causas da morte de uma pessoa. As informações colhidas pelo SOV são imprescindíveis para dar andamento aos demais processos legais que envolvem o óbito de um ente querido.

    Diferentemente dos demais tipos de morte, o procedimento neste caso é um pouco mais simples e prático. 

    Além disso, vale salientar que, nestes casos, o atestado de óbito pode ser emitido pelo médico que acompanhou o paciente ou, até mesmo, por um médico da família, se houver. 

    O que você achou do conteúdo que trouxemos hoje? Já conhecia os diferentes tipos de morte? Deixe um comentário nos contando as suas impressões. Aproveite para ler também: Você sabe qual é a diferença entre tanatopraxia e autópsia? Confira agora!

    Deixe um comentário