• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Homenagem póstuma: nunca é tarde demais para relembrar

    Há homenagens póstumas a custo zero ou que demandam altos investimentos, mas todas têm um mesmo objetivo: trazer à memória lembranças felizes de alguém que partiu.

    Você sabe exatamente o que é uma homenagem póstuma? Como funciona? Quais as opções mais viáveis para sua realização? Existe um tempo de validade para homenagear alguém que faleceu? E se eu não tenho dinheiro para investir, então não posso homenagear postumamente a pessoa que eu amo e admiro?

    As dúvidas diante da morte são sempre inúmeras. Não é à toa que o ditado popular “a morte é mais difícil para quem fica” não sai da boca dos brasileiros. 

    Mas, pense bem, é realmente necessário sentir dor na alma toda vez que lembramos de um falecido?

    Neste artigo você conhecerá um pouco sobre as relações entre homenagem póstuma e a memória. Nosso objetivo é construir uma relação saudável com o luto e superar, ainda que parcialmente, as aflições e angústias diante da perda.

    Então, livre-se dos sentimentos ruins, encare a realidade e prepare-se para revirar seu baú de lembranças de maneira positiva. Boa leitura!

    A homenagem póstuma e o seu poder libertador

    A homenagem póstuma, ou homenagem post mortem, significa aquele momento na qual um indivíduo ou um grupo de indivíduos celebram a vida de alguém que já se foi, das mais diferentes maneiras.

    Note que é diferente de um velório, um enterro ou mesmo uma lápide com epitáfio. Essas homenagens estão voltadas propriamente à morte, ou seja, têm como objetivo fazer um culto/ritual em função de um falecimento.

    Já a homenagem póstuma, por sua vez, tem como objetivo salientar a vida, fazendo assim com que as realizações da pessoa em vida sejam rememoradas e celebradas.

    É, portanto, uma maneira de olhar para a pessoa morta para além desse ponto fatídico. De destacar o seu tempo sobre a Terra.

    Uma vez que conseguimos despertar lembranças relacionadas ao falecido que não estejam sempre ligadas a sua morte, mas que, por outro lado, estão ligadas aos seus atos, gostos e jeitos quando vivo, nos abre a possibilidade de libertarmos dos maus sentimentos que a morte carrega.

    Morte e memória

    Estátua em homenagem a Carlos Drummond de Andrade, RJ.

    Uma pessoa morta só continua a existir se for constantemente lembrada. “A morte existe na memória dos vivos” e essa afirmação é tão verdadeira que se torna irredutível. A única possibilidade de manter viva a existência do morto é trazendo à tona as lembranças.

    Portanto, recordar não deve ser doloroso. Recordar é viver e é manter vivas as alegrias do passado. 

    Não podemos temer as recordações porque elas nos fazem refletir sobre a morte de alguém. Precisamos mesmo lidar com esse fato: a pessoa faleceu e por isso deve ser sempre lembrada e admirada pela vida que ela levou.

    Uma maneira de fazer isso é através das homenagens póstumas. Confira como nos próximos tópicos!

    Como, quando e por que realizar uma homenagem póstuma

    Existem vários motivos que podem incentivar a fazer esse tipo de homenagem em forma de viagem memorialista. 

    Há muitas religiões que já prescrevem seus ritos, mas há outras possibilidades de fazê-lo para além das crenças religiosas.

    É muito comum, por exemplo, a realização de homenagens póstumas no Dia dos Finados: acender velas em frente a retratos dos homenageados, deixar flores nos túmulos, realizar um jantar com os amigos e parentes próximos ao falecido.

    O dia do aniversário do ente querido também é uma data propícia para recordar. É possível até mesmo fazer um bolo para o aniversariante. Parece mórbido? Mas não é! 

    Por que não celebrar o dia do nascimento de alguém que já morreu? Inclusive, os famosos centenários de morte estão aí para isso.

    Independentemente do dia escolhido para a homenagem – aliás, não precisa haver uma data, os eventos de recordação e celebração da vida não têm data nem hora marcadas – é importante ter em vista que a homenagem póstuma precisa despertar alegria a partir de lembranças positivas. 

    Isso não significa não chorar. Afinal, não há problema algum em emocionar-se. Isso significa entender o motivo em fazer a homenagem: destacar coisas boas da vida de alguém que se foi.

    Exemplos de homenagens póstumas

    Tendo isso em mente, a criatividade não mede limites para que você escolha o tipo de homenagem que deseja fazer.

    Assim, trazemos a seguir algumas ideias de homenagens póstumas, das mais simples às mais sofisticadas, para que você nunca se esqueça: o amor não acaba com o fim da vida.

    Escreva um texto

    Esta primeira dica é das mais simples: não requer investimento financeiro, nem um montante de convidados e nem mesmo um grande tempo de preparação.

    Mas talvez seja a mais profunda: você precisa emergir no seu baú de memórias e organizar em palavras as lembranças e os sentimentos relacionados àquela pessoa.

    Ainda assim, escrever uma crônica, um poema, uma postagem de facebook que seja, em prol de uma homenagem póstuma não é algo que você deve fazer por você, o escritor. 

    É necessário ter a consciência de que aquelas palavras são para exaltar a existência da incrível pessoa que você teve o prazer de conhecer, mas que, infelizmente, faleceu.

    Deixamos aqui alguns exemplos de homenagens póstumas escritas:

    “Soneto do Nascimento” – Augusto dos Anjos.

    Música: “Tear in Heaven” – Eric Clepton

    Homenagens em eventos públicos

    É sempre bom aproveitar os momentos em que tem bastante gente reunida para fazer aquela celebração merecida.

    Antes de ir a uma festa de família, prepare um discurso para lembrar os seus da pessoa incrível que um dia esteve com vocês diante da mesa de jantar.

    Você pode descrever o último momento que passaram juntos, a última festa em família, trazer algum momento engraçado, reforçar alguma realização importante da pessoa falecida.

    Não tenha medo de fazer esse tipo de intervenção. 

    Lembre-se: você não será inconveniente, você estará celebrando a vida de alguém importante para aquele grupo, estará reavivando sua memória e dando aos presentes a oportunidade de não deixar o ente querido cair no esquecimento.

    Utilize as redes sociais

    Compartilhe fotos de momentos marcantes com aquela pessoa. Remonte diálogos que tenha tido com ela. Exalte para seus amigos online as qualidades do falecido ou algo de relevante que ele produziu em vida.

    Isso criará pontos de recordação positivos em sua linha do tempo e representa uma homenagem póstuma que poderá sempre ser recuperada e melhorada.

    Crie uma página de recordações

    Essa homenagem póstuma pode ser muito barata ou pode render gastos, a depender de sua habilidade com as ferramentas digitais. Mas não deixe que nada seja um empecilho para realizá-la.

    Criar um memorial online é muito gratificante, pois é uma homenagem duradoura e coletiva, ou seja, não vai ser acessada apenas por você, é um espaço que você pode compartilhar com outras pessoas que vivenciaram com o falecido e que também precisam de um lugar para recordar.

    Você pode fazê-lo em formato de site, blog, mural (como na plataforma padlet), entre outros. E pode colocar ali diferentes conteúdos: 

    • Um álbum de fotos;
    • Vídeos editados combinando flashs de vídeos em que o ente querido está presente e músicas que ele mais gostava como trilha sonora; 
    • Uma guia com frases de efeitos que o homenageado costumava dizer;
    • Uma lista de filmes que ele gostava;
    • Outra com suas comidas preferidas;
    • Indicações de livros que o falecido gostava de ler;
    • Lugares que ele visitou;
    • Crônicas descrevendo acontecimentos memoráveis. 

    As opções no ambiente digital são muitas e um memorial desses pode se tornar uma das homenagens mais completas e mais sensíveis, uma verdadeira celebração à vida.

    Painel de fotos

    Agora que vimos algumas opções de homenagens póstumas criativas a custo zero, vamos pensar em algumas opções que demandam algum investimento. 

    Partindo daquele de menor custo até alcançar um de preço mais alto, tudo vai depender da sua intenção e da forma como você vai homenagear alguém que se foi.

    O painel de fotos é excelente como homenagem e não exige muito investimento.

    Há quem acredite que caminhar pela casa vislumbrando fotos do falecido pode ser deprimente. Mas o efeito é contrário.

    Nós somos todos ficcionados em fotos. Registramos com nossos smartphones os momentos banais e aqueles mais importantes. 

    Estamos sempre compartilhando e registrando as experiências que temos junto com aqueles que ainda estão vivos.

    Então questione: por que recuperar as fotos de alguém que já morreu não pode ser uma homenagem feliz?

    Escolha os melhores momentos, selecione fotos de viagens, passeios e momentos importantes da vida daquela pessoa querida.

    Seja qual for sua religião, ter um painel de fotos exposto na parede do quarto é uma linda homenagem póstuma e relembrar as alegrias é uma ótima maneira para desviar os sentimentos ruins!

    Faça uma tatuagem!

    Para quem gosta, é uma ótima opção.

    Você eternizará em seu corpo a lembrança mais íntima daquela pessoa falecida. Você pode escrever o nome dela, inscrever uma caricatura, escolher um símbolo que a represente.

    São infinitas as possibilidades, mas essa homenagem póstuma é muito especial, pois a marca na pele cria uma relação de proximidade.

    Com certeza esse é o tipo de tatuagem que é impossível se arrepender depois.

    Realize um projeto

    É muito possível que a pessoa que você ama tenha deixado algum projeto inacabado antes de morrer. Afinal, viver é criar projetos, seja ele qual for, e nem sempre temos tempo de vida suficiente para realizar todas as nossas vontades.

    Faça uma viagem para o lugar que a pessoa gostaria de ir, mas não foi. Termine uma tarefa inacabada, como publicar um livro que ela escreveu e deixou na gaveta, construir o cômodo extra na casa, que a pessoa idealizou, mas não realizou, investir em algum objeto de consumo que a pessoa sempre quis ter, mas não comprou.

    Essa é uma maneira não apenas de celebrar a vida do falecido: essa homenagem se configura em uma oportunidade para, de alguma maneira, prolongar sua vida.

    Espalhe as suas cinzas

    Essa homenagem está entre as que requerem maior investimento porque, para espalhar as cinzas é necessário optar pela cremação no momento de contratar os serviços funerários.

    Se era o desejo da pessoa, não exite em fazê-lo. Espalhar as cinzas pode parecer um ato simples, mas é um momento de despertar, um ato simbólico de despejar os restos mortais na natureza e enfim, ater-se às memórias.

    Nunca é tarde para recordar

    Placa decorativa de homenagem póstuma a Renato Russo

    Não importa se o homenageado faleceu ontem ou há 30 anos, é importante e saudável manter a memória viva. 

    Eternizar os momentos em forma de palavras e objetos é a melhor maneira de materializar os sentimentos e fazer com que a menção ao ente querido não seja algo desgostoso.

    Memória também é poder, não se esqueça que não é por pouco que grandes celebridades ou figuras icônicas de determinado lugar sejam sempre relembradas pela mídia, mesmo depois de mortos.

    Centenários de vida, eventos, exposições, biografias, filmes biográficos são homenagens comuns àqueles que marcaram a história de um lugar. E esses recursos de eternizar os feitos de alguém importante não precisam se limitar àqueles que são amplamente conhecidos.

    Você também pode eternizar os feitos de alguém importante para você.

    Faça sua homenagem com alegria e receba o conforto de poder encarar a morte sem medo, pois a lembrança da vida se sobressai.

    Essa é uma mensagem importante para quem tem dificuldade de lidar com o luto ou para quem está diante dele e não sabe como agir.

    Acompanhando nosso blog você encontrará sempre conteúdos que lhe ajudarão a entender com gratidão o limite da vida. Leia nossos artigos e supere o tabu da morte. 

    Deixe um comentário