• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Funeral: o que é essencial e o que é dispensável para sua realização? Descubra agora!

    Conheça os detalhes da organização de um funeral e saiba o que é preciso para realizar esta cerimônia! Boa leitura!

    Homens carregando um caixão

    Perder um ente querido é um momento extremamente delicado para qualquer pessoa. Para além da dor e do sofrimento causados pela perda, é preciso lidar, também, com as burocracias que envolvem o funeral, o que, muitas vezes, é desgastante e doloroso, além de caro!

    Já que, a verdade é que nós nunca estamos prontos para organizarmos a despedida permanente de uma pessoa a qual tanto amamos. 

    Contudo, o funeral é uma cerimônia muito importante para o processo do luto e, quando organizada por profissionais da área funerária, as dores de cabeça da família podem ser reduzidas significativamente. 

    Por isso, no conteúdo de hoje, organizamos um compilado de informações referentes ao funeral. Você entenderá o que é necessário para realizar esta cerimônia e porque é tão importante contar com um plano funerário neste momento. Acompanhe a leitura!

    Benefícios Sociais INSS

    O que é um funeral?

    O funeral é, de modo geral, uma cerimônia fúnebre que abrange desde o momento em que o corpo é velado até o sepultamento ou cremação do cadáver, de acordo com a escolha da família. 

    Esta cerimônia é composta por diferentes etapas, as quais podem variar, dependendo da cultura, crenças e preferências do ente querido e de seus familiares.

    Contudo, seja qual for o formato de cada ritual fúnebre, a realização do funeral é imprescindível para que os parentes e amigos da pessoa falecida possam ter a oportunidade de se despedir. 

    Embora a morte seja uma realidade com a qual muitos de nós, na maioria das vezes, não estamos prontos para lidar, os rituais fúnebres são fundamentais para que a ruptura ocasionada pela perda seja devidamente vivenciada e o processo do luto não seja excessivamente pesado.

    Por que é importante realizar o funeral?

    Como mencionamos anteriormente, o funeral é uma cerimônia indispensável quando ocorre o falecimento de uma pessoa querida. Ela viabiliza uma despedida digna e afetuosa entre a pessoa falecida e os seus parentes e amigos. 

    Além disso, o funeral marca uma transição tanto para o ente querido, que passará para outro plano, quanto para as pessoas que o amavam, pois terão de aprender a conviver com a sua ausência. 

    Dessa forma, a cerimônia de despedida é muito importante para que essa transição não seja demasiadamente sofrida para as pessoas enlutadas. 

    É válido salientar que o cumprimento das etapas do funeral, como a apresentação dos documentos necessários e a decisão acerca do destino final do corpo, entre cremação ou sepultamento, é muito importante para que tudo ocorra sem grandes problemas. 

    Afinal, o momento é, por si só, muito delicado e a família tende a estar emocionalmente fragilizada devido a perda. Assim, evitar maiores transtornos é essencial para que os familiares não sejam expostos a maiores sofrimentos.

    Como é organizado um funeral?

    Homem participando de um funeral

    A organização de um funeral consiste em algumas etapas que precisam ser devidamente cumpridas para que tudo ocorra como esperado.

    Estas etapas vão desde a preparação do corpo do ente querido até o atendimento que é oferecido aos parentes e amigos da pessoa falecida durante a cerimônia fúnebre. Acompanhe a leitura para entender o passo a passo da organização de um funeral.

    Preparação do corpo

    A preparação do corpo, a qual é chamada tecnicamente de tanatopraxia, é indispensável quando o cadáver precisa ser deslocado, pelo traslado rodoviário, para locais cuja distância ultrapassa 250 quilômetros. 

    O procedimento também é necessário quando o cadáver é transportado por vias aéreas ou marítimas. Além das situações de traslado funerário, a tanatopraxia é realizada quando o espaço temporal entre o falecimento e o sepultamento ultrapassam 24 horas

    Em situações que fogem das mencionadas acima, a preparação do corpo é dispensável durante o processo de organização do funeral, a menos que seja recomendada pelo médico legista.

    Decisão entre sepultamento ou cremação 

    Nesta etapa, é crucial respeitar os desejos do ente querido. Caso ele tenha manifestado, em vida, o desejo de ser cremado, esta preferência deve ser mantida no momento em que é decidido o destino do corpo. 

    No entanto, se a vontade da pessoa falecida era ser sepultada junto aos parentes em um jazigo familiar, o sepultamento deverá ser organizado de acordo com esta preferência. 

    Há, ainda, a possibilidade de ocorrer o sepultamento nos cemitérios públicos, caso a família não possua um jazigo perpétuo. De todo modo, seja qual for a decisão tomada, ela precisa ser devidamente declarada à equipe funerária para que todos os procedimentos sejam realizados corretamente.

    Apresentação dos documentos necessários

    Uma das etapas mais importantes do processo de organização de um funeral é a apresentação dos documentos solicitados.

    É importante ressaltar que todos eles devem estar devidamente preenchidos, com todas as datas e demais informações preenchidas corretamente para que não haja nenhum contratempo. Os documentos requisitados são:

    • Atestado de Óbito

    O Atestado de Óbito é o documento emitido pelo médico responsável pela pessoa falecida. Este documento atesta o falecimento de uma pessoa e é mediante a apresentação dele que a família tem o direito de realizar o velório, o sepultamento ou a cremação do corpo.

    • Certidão de Óbito

    A Certidão de Óbito, por sua vez, é um documento concedido pelo Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais e deve ser solicitado em até 15 dias após o sepultamento ou cremação do corpo, de acordo com o que prevê o art. 78 c/c art. 50 da Lei nº 6015/73.

    Esta certidão só é emitida se o Atestado de Óbito for apresentado no ato da solicitação, portanto, é muito importante que a família mantenha-o guardado para que possa levá-lo ao cartório no momento oportuno.

    Algumas das informações expostas na Certidão de Óbito são: a data e a hora em que ocorreu o falecimento, se foram deixados filhos e/ou cônjuge, o que ocasionou a morte, entre outros detalhes. 

    Esta certidão propicia o andamento de alguns trâmites burocráticos que envolvem o ente querido, como inventários, conclusão de contratos, questões jurídicas, etc.

    Reiteramos que o prazo de requerimento deste documento é de 15 dias, porém, se a família estiver localizada a uma distância superior a 30 quilômetros do cartório, o prazo de solicitação pode ser ampliado para três meses.

    • Laudo pericial

    O laudo pericial é necessário quando a morte é ocasionada por violência ou acidentes. Nestas circunstâncias, o corpo é direcionado ao Instituto Médico Legal (IML) para que o médico legista realize a perícia e identifique a causa mortis. 

    O parecer do médico acerca da morte é registrado no laudo pericial, o qual deve ser apresentado para que a família possa dar andamento ao processo do funeral. 

    • Guia de sepultamento

    O último documento a ser apresentado é a guia de sepultamento. Esta guia é encaminhada para o cemitério ou o crematório no qual o corpo será sepultado ou cremado, respectivamente. 

    Esta guia possui informações importantes sobre o ente querido, incluindo a decisão pelo procedimento a ser realizado com o corpo. Ela pode ser solicitada de forma autônoma, pela família, no Cartório de Registro Civil.

    Por outro lado, se a família conta com uma empresa de serviços funerários, os documentos solicitados são todos providenciados pela equipe, de modo que os familiares do ente querido não precisam se preocupar em provê-los.

    Escolha do local do velório e sepultamento/cremação

    Uma outra etapa muito importante na organização do funeral é a escolha do local em que irão ocorrer o velório e o sepultamento ou a cremação. Alguns detalhes precisam ser considerados ao optar pelo local, como a segurança, a estrutura do local, entre outros.

    O ideal é que o velório seja realizado no mesmo lugar em que será feito o sepultamento ou a cremação, ou o mais próximo possível. Por isso, é necessário pesquisar se o local possui salas específicas para a realização do velório.

    Organização das homenagens

    As homenagens são um elemento indispensável na cerimônia de despedida do ente querido. Este momento costuma ser emocionante, memorável e muito tocante para todas as pessoas presentes no funeral. 

    Não existe um código de regras voltado para a condução das homenagens. Elas podem ser realizadas de acordo com as crenças, a visão de mundo, entre outras características do ente querido. 

    Contudo, a despeito da sua pluralidade, o momento de homenagens tende a ser organizado com os seguintes elementos:

    • Discursos 

    Durante a cerimônia, algumas pessoas são designadas para discursarem a respeito do ente querido. Podem ser amigos, familiares, cônjuges, etc. Na maioria das vezes, os discursos são atravessados por elogios à pessoa falecida, lembranças dos bons momentos vividos e palavras de conforto aos que ficaram. 

    Os discursos podem ser escritos previamente, mas também podem ser guiados pela emoção do momento, o que ocorre em grande parte das vezes. 

    • Orações

    Um outro elemento comum nas cerimônias, especialmente quando a pessoa falecida era religiosa, são as orações. 

    As orações são feitas, dependendo da crença do ente querido, com a finalidade de interceder pela alma, pela passagem do plano material para o plano espiritual, e também para que os familiares e amigos possam ser consolados em suas dores.

    Elas podem ser conduzidas por algum líder espiritual, ou mesmo pelas pessoas que estão presentes na cerimônia. 

    • Coroas de flores

    As flores são uma representação de todo amor, carinho e afeição que as pessoas próximas ao ente querido sentiam por ele. Elas são consideradas indispensáveis nas cerimônias fúnebres, pois além de serem um símbolo de afeto, também são uma forma de homenagear a pessoa falecida.

    A tradição de introduzir flores nos funerais é milenar. Ela perpetuou-se até os nossos dias, sendo ainda comum contemplar cerimônias repletas de flores dos mais variados tipos. 

    Este elemento também representa cuidado com o ente querido, tendo em vista que as flores continuam sendo enviadas após o sepultamento, de modo que os jazigos permanecem ornamentados.

    • Homenagens personalizadas 

    Além da ornamentação padrão do velório, alguns outros elementos pessoais também podem ser inseridos na cerimônia. Objetos que representem o ente querido, como bandeiras, fotos, livros, quadros, etc, são muito bem-vindos e ajudam a transformar a atmosfera triste da despedida em algo mais intimista e acolhedor. 

    Além disso, boa parte dos cemitérios privados contam com opções alternativas de homenagens, como chuvas de pétalas, soltura de balões e homenagens musicais no ato do sepultamento. 

    O que importa neste momento é que a despedida seja emocionante e especial para todas as pessoas presentes. 

    Suporte à família e amigos do ente querido

    Um outro ponto que não pode ficar de fora da organização de um funeral é o atendimento aos parentes e amigos da pessoa falecida. É preciso pensar em detalhes como banheiros disponíveis no local do velório, alimentação, cadeiras disponíveis para que os presentes na cerimônia possam sentar-se, etc. 

    Não é necessário providenciar um buffet com comidas elaboradas. Na maioria das vezes, são servidos lanches leves como biscoitos, chás, cafés e pãezinhos, etc. É importante que as pessoas que ficarão no velório estejam alimentadas para que não haja nenhum infortúnio como queda de pressão, por exemplo.

    Caso o plano funerário não ofereça este serviço, um parente ou amigo da pessoa falecida pode se responsabilizar pela organização deste aspecto do funeral. 

    Por que é necessário contratar um plano funerário?

    Homem assinando contrato

    Como você percebeu ao longo deste texto, a organização de um funeral não é uma tarefa simples. 

    Já que, esta cerimônia estrutura-se em diferentes etapas que podem ser exaustivas e complicadas em algumas situações, especialmente por acontecer em um momento tão delicado como a perda de uma pessoa querida. 

    Nesse sentido, é fundamental ter uma equipe especializada com a qual possa contar. O plano funerário oferece todo suporte necessário neste momento e auxilia a família em todos os detalhes que envolvem o funeral. 

    Ao ser contatada, a equipe começa, imediatamente, a administrar todos os trâmites burocráticos relacionados ao funeral, de modo que a família não precisa se preocupar com eles. 

    Além da praticidade e comodidade que o plano funerário oferece, o aspecto financeiro também é uma das grandes vantagens da contratação. Todas as etapas do funeral, as quais mencionamos anteriormente, possuem custos expressivos. Sem um plano, a família precisará custear cada serviço individualmente, o que pode sair muito caro.

    O plano funerário, por outro lado, concentra todos estes serviços, incluindo, em muitos casos, a cremação. Diferentemente do que muitas pessoas pensam, as mensalidades são consideravelmente acessíveis, e, realizando uma pesquisa de mercado, você pode encontrar o plano que mais se adequa ao seu perfil financeiro.

    Logo, contratar um plano funerário é um investimento em você e na sua família. É assegurar que, no momento em que ele for necessário, tudo será feito com excelência, delicadeza e qualidade, além de impedir que a dor da perda seja potencializada pela necessidade de cuidar dos trâmites burocráticos que envolvem o funeral. 

    Gostou das informações que trouxemos hoje? Então, deixe um comentário para nós. Iremos adorar saber suas impressões sobre este assunto. 

    Deixe um comentário