• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Como lidar com a saudade de alguém que se foi: como funciona o luto na prática

    Entender como funciona o processo de luto é essencial para conseguir superá-lo. Confira 5 dicas para lidar com a saudade de alguém que se foi!

    O processo de luto é comum e natural, mas precisa ser enfrentado para que a vida volte ao normal depois da perda.

    O luto é um processo pelo qual a maioria das pessoas passa pelo menos uma vez na vida. Afinal, a morte é parte do ciclo natural da vida, mesmo que muitas vezes seja difícil de aceitar e ainda mais lidar com ela. 

    Sendo assim, saber lidar com a saudade de alguém que se foi é essencial para aceitar a perda e seguir em frente. 

    Porém, é evidente que esse processo não é nem um pouco fácil. Dessa forma, muitas pessoas acabam até mesmo tendo doenças como a depressão, justamente pela dificuldade de se acostumar com a nova rotina e com a saudade. 

    Sabendo disso, aqui neste artigo te explicaremos um pouco mais sobre como funciona o processo de luto para os seres humanos e também algumas práticas para lidar com a saudade de alguém que se foi. Continue acompanhando e descubra muito mais! Aproveite e boa leitura!

    O que é o luto? 

    De maneira geral, podemos definir o luto como um processo emocional natural pelo qual nosso psicológico passa quando perdemos alguém. 

    Essa perda não necessariamente precisa estar relacionada com a morte, podendo ser também o fim de um relacionamento, amizade ou até mesmo a perda de um emprego. No entanto, é mais comum ao fim do ciclo da vida. 

    Podemos dizer que o luto é um sentimento vivenciado por todas as pessoas depois de uma perda. 

    O que o diferencia está na intensidade do sentimento de cada um e também na duração desse período mais intenso, que aos poucos deve se amenizar para que a vida normal seja retomada pouco a pouco. 

    Portanto, é preciso ter em mente que não há uma regra para lidar com a saudade de alguém que se foi, bem como um período específico em que o luto deve durar. 

    Já que, cada ser humano possui seus próprios processos para superar a perda e demora um tempo para atingir o equilíbrio emocional novamente, criando uma nova rotina para a vida. 

    Quais são os sintomas do luto? 

    Até aqui, já foi possível perceber que o luto é um processo individual, ocorrendo em cada pessoa de uma forma diferente. 

    No entanto, alguns sentimentos e sintomas que aparecem durante ele são comuns e se repetem em quase todos os casos. Nesse sentido, saber reconhecê-los é essencial para entender melhor a si mesmo durante todo o processo. 

    Além disso, também é importante ter em mente que o luto pode gerar sintomas tanto físicos quanto psicológicos, sendo sentido em diversas instâncias por quem está passando por um momento de perda. Entenda mais abaixo!

    Sintomas físicos do luto 

    Os sintomas físicos do luto costumam estar relacionados a perda de algumas capacidades emocionais básicas, resultando em:

    Perda ou ganho de peso

    A compulsão alimentar está quase sempre diretamente ligada a um descontrole ou desequilíbrio emocional. Nesse sentido, no período de luto pode ser comum a perda do apetite, resultando em uma perda significativa de peso. Já outras pessoas acabam encontrando na comida uma fonte de escape para os sentimentos conflituosos, caindo nos excessos e engordando muito em pouco tempo. 

    Insônia

    Não conseguir dormir, tanto por crises de choro quanto pela ansiedade e pensamentos excessivos costuma ser bastante comum durante o luto. 

    Afinal, lidar com a saudade de alguém que se foi é difícil, principalmente nos momentos em que temos mais tempo para pensar. Consequentemente, a perda de sono acaba se tornando mais frequente.

    Fadiga

    A sensação constante de cansaço também está frequentemente relacionada ao luto, tendo relação direta com o esgotamento emocional e a insônia, citada anteriormente. Nesse sentido, é comum que quem está passando por esse processo não tenha energia nem mesmo para as tarefas mais simples do dia a dia. 

    Além destes, outros sintomas físicos do luto são:

    • Sudorese em excesso;
    • Problemas digestivos;
    • Azia e desenvolvimento de úlceras nervosas;
    • Redução da imunidade;
    • Dores pelo corpo todo; 
    • Palpitação;
    • Infecções frequentes em diversos órgãos.

    Sintomas emocionais do luto 

    Os sintomas emocionais, por sua vez, estão diretamente relacionados com os sintomas físicos e, inclusive, são bem mais comum, sendo os principais:

    Estresse

    O estresse sem dúvidas é um dos sintomas mais comuns para quem está tentando lidar com a saudade de alguém que se foi. 

    Ele pode vir nas situações mais simples do dia a dia e até mesmo atrapalhar as relações no trabalho e na vida pessoal. Na maioria dos casos está relacionado ao sentimento de choque e não aceitação da perda. 

    Medo 

    Pode parecer estranho, mas o medo costuma ser um dos sentimentos mais relacionados ao luto. 

    Ele costuma aparecer como o temor de perder mais alguém que se ama ou até mesmo de nunca superar a dor e a tristeza momentânea. 

    Em alguns casos esse sentimento resulta em uma insegurança em sair de casa, ansiedade e até mesmo crises de pânico.

    Choque e não aceitação 

    Cada pessoa lida com o luto de um jeito. Em alguns casos o velório e as despedidas são suficientes para implantar a ideia de que a pessoa querida se foi. 

    Em outros, podem passar meses até que realmente seja possível compreender a nova realidade, chorar e superar o momento difícil.

    Nesse sentido, não é incomum que pessoas permaneçam em estado de choque por meses, muitas vezes até mesmo vivendo em negação sobre a morte e preferindo não conversar sobre o assunto e suas consequências. 

    As etapas do luto: entenda na prática como funciona o sentimento de perda

    O luto, de forma geral, possui 5 etapas. Fonte: Pixabay

    A dificuldade em lidar com a saudade de alguém que se foi dura a vida toda. Afinal, cada pessoa que vai embora leva um pedaço de nós e o sentimento de vazio dificilmente é preenchido novamente. 

    Porém, durante o luto a tristeza costuma ser ainda mais intensa, amenizando aos poucos com o passar dos meses.

    Nesse sentido, é interessante saber também que esse processo de luto possui algumas etapas, as quais se repetem nas pessoas que passam por ele. São elas:

    1ª etapa: negação 

    A negação costuma vir seguida do isolamento para quem está tentando lidar com a saudade de alguém que se foi. Nesse momento a pessoa cria uma barreira entre si e a situação que está acontecendo, como um para-choque para reter os problemas do outro lado.

    É por conta desse estágio que muitas pessoas não conseguem chorar em velórios ou enterros, por exemplo. A blindagem criada para não lidar com o fato mantém os sentimentos ruins atrás de uma barreira, a qual pode ser mais forte ou mais fraca, de acordo com o psicológico e personalidade do enlutado. 

    2ª etapa: raiva 

    A segunda etapa vem quando a negação deixa de ser uma opção. Os processos de homenagem e cerimônias já acabaram e é preciso voltar à realidade, bem como lidar com as situações que a perda trouxe, como organizar pertences. Aqui um sentimento de raiva toma conta, fazendo com que o enlutado se pergunte “por que?”.

    Muitas pessoas nesse momento de raiva acabam se afastando da família e até mesmo brigando com outros indivíduos que também estão sofrendo com a perda. No entanto, é um processo natural e que não deve durar muito tempo. Caso o enfurecimento persista, é necessário buscar assistência psicológica. 

    3ª etapa: barganha 

    Essa é uma etapa do luto que costuma ser mais comum para quem tem crenças religiosas. Nela o enlutado tende a fortalecer sua fé, criando esperança de que o divino fará algo para amenizar a dor e até mesmo promover um reencontro espiritual no futuro. 

    Para quem é ateu, a barganha pode tomar um caminho mais voltado à busca por sentido na vida, resultando em um sentimento de vazio. Nesses casos, o quarto estágio do luto costuma chegar mais rápido. 

    4ª etapa: depressão 

    Aqui, como o próprio nome indica, chegamos a um dos estágios mais complicados para quem está tentando lidar com a saudade de alguém que se foi. 

    Na depressão o sentimento de tristeza vem muito forte e o enlutado passa a lembrar constantemente de todos os momentos e lembranças boas que teve com a pessoa que partiu. 

    Essa é uma das fases do luto que mais necessita de atenção, principalmente de quem está à volta do enlutado. É preciso conversar muito e, em casos especiais, buscar ajuda profissional. Caso contrário, a depressão pode se tornar clínica, se tornando um problema psicológico intenso e muito mais difícil de tratar no futuro.

    Se esses cuidados não forem tomados, se tornará impossível chegar à 5ª e última fase do luto.

    5ª etapa: aceitação

    Depois de não aceitar, sentir raiva, criar novas esperanças e passar por uma recaída depressiva, é provável que o enlutado chegue a fase da aceitação. Nela a perda começa a se tornar mais real, o que faz com que seja encarada de forma natural e tranquila. 

    Além disso, o enlutado começa a lidar melhor com a saudade, não deixando de senti-la, mas conseguindo organizar e equilibrar seus sentimentos. 

    A aceitação é um processo longo e que exige paciência, portanto, não deve ser apressada para que a vida normal seja retomada logo. 

    É preciso permitir que a etapa seja concluída naturalmente, com a compreensão do ciclo da vida e o entendimento de que todos nós passaremos pela morte algum dia. 

    Como lidar com a saudade de alguém que se foi: o que pode ser feito para amenizar a dor da perda

    Algumas atitudes podem amenizar a dor da perda.

    Compreender como funciona o luto é essencial para ajudar alguém que está passando por esse processo. 

    Afinal, são diversas as fases e cada uma delas necessita de um tipo específico de suporte psicológico. Porém, também é importante ressaltar que cada indivíduo é ímpar e, por esse motivo, pode viver mais ou menos cada uma das etapas citadas. 

    No entanto, é evidente que a tristeza, o vazio e a saudade acontecem em todos os casos. Portanto, é importante saber o que falar e como agir para ajudar emocionalmente quem amamos nesse momento tão delicado. Abaixo, acompanhe algumas dicas práticas que podem fazer toda a diferença para quem está passando pelo luto.

    Entenda que os sentimentos fazem parte do processo 

    É impossível perder alguém que convivemos por muito tempo e conseguir ficar bem do dia para a noite. Os sentimentos que o luto gera fazem parte de um processo, o qual precisa ser vivido de forma natural e que até mesmo é saudável psicologicamente. 

    Por esse motivo, não é indicado tentar acelerar e pular etapas do luto. Cada uma delas é necessária para a compreensão e aceitação de que a vida deve continuar, independentemente da perda. 

    Além disso, entender a própria dor e de onde ela vem é essencial para que, ao longo dos próximos anos, seja possível consolar a si mesmo quando a saudade vier. Sendo assim, não deve-se segurar o choro e nem reprimi-lo, permitindo que ele venha sempre que necessário. 

    O isolamento a longo prazo é prejudicial

    Muitas pessoas tendem a querer ficar sozinhas quando estão lidando com o luto. Porém, esse não é um comportamento saudável. Buscar apoio em amigos e familiares é essencial para amenizar a saudade e perceber que perder a pessoa querida não significa que não há mais apoio e amor a ser buscado. 

    Além disso, quando há a perda de um familiar, estar junto com a própria família proporciona um sentimento maior de conforto e acolhimento.

    Compartilhar o luto é essencial para que todos passem juntos pelo processo e, a partir disso, superem e compreendam que as lembranças vividas não serão apagadas, mas é essencial que sejam construídas novas memórias, mesmo que sem o ente querido que partiu.

    Encontrar uma maneira de canalizar emoções é essencial 

    Um dos principais geradores de ansiedade e intensificadores do luto é o excesso de pensamentos. 

    Afinal, estar com a cabeça cheia faz com que fiquemos confusos, estressados e, muitas vezes, ainda mais desequilibrados emocionalmente. Por esse motivo, encontrar um canalizador para as emoções é uma ótima ideia. 

    Pode ser um novo hobbie, um formato de arte e até mesmo um esporte praticado regularmente. O mais importante é que esses momentos tornem-se um refúgio para o enlutado, onde ele possa encontrar prazer e ainda assim canalizar seus sentimentos para que não se perca neles. 

    No entanto, vale ressaltar que é preciso tomar cuidado para não cair em uma armadilha. Se o hobbie começar a se tornar um momento para chorar e ficar sozinho, longe de tudo e todos, será necessário reavaliar a atividade, garantindo que não se torne uma válvula de escape para a depressão. 

    Cuidar da saúde física também é essencial 

    Quando estamos em um processo psicológico, é comum que acabemos nos descuidando de nossa saúde física. No entanto, esse é um erro que não deve ser cometido, principalmente por quem está tentando lidar com a saudade de alguém que se foi. 

    Isso porque grande parte dos nossos sentimentos são controlados por cargas hormonais, as quais são liberadas a partir de esforços físicos, como realização de exercícios e uma alimentação equilibrada. 

    Nesse sentido, se cuidarmos de nossa saúde física, é provável que tenhamos uma melhora significativa também em nossa saúde emocional. Sendo assim, adotar uma dieta equilibrada e sem excessos é muito importante, bem como liberar serotonina através de exercícios. 

    Quando é necessário procurar apoio psicológico para o luto? 

    Até aqui, falamos sobre lidar com a saudade de alguém que se foi e dos processos de luto de forma natural, como a maioria das pessoas passa por ele. 

    No entanto, em alguns casos a tristeza e os sentimentos conflituosos podem se tornar tão intensos que um suporte profissional se faz necessário. 

    Quando isso acontece é essencial que a família esteja pronta e preparada para identificar os sintomas do enlutado, antes que o luto evolua para doenças como depressão e síndrome do pânico. Nesse sentido, alguns dos pontos que devem sempre ser observados são:

    • Negação e descrença por tempo superior a um mês;
    • Rejeitar tudo que faz lembrar da perda;
    • Vontade constante de ir a lugares que remetem ao falecido;
    • Saudade muito intensa, ao ponto de atrapalhar o dia a dia pessoal;
    • Amargura e raiva intensas, manifestadas em diferentes momentos e conversas. 

    Se um desses quesitos estiver presente no enlutado é preciso ligar o alerta. Porém, caso dois ou mais sintomas estejam aparecendo, a ajuda médica deve ser essencial e imediata. 

    É preciso ter muito cuidado e atenção durante o luto, para que o processo seja para todos o mais leve e tranquilo possível. 

    Com todas essas dicas, vai se tornar um pouco mais fácil ajudar alguém que está tentando lidar com a saudade de alguém que se foi. 

    Portanto, anote todas e permaneça sempre muito disponível a conversar e se mostrar disposto a entender e compartilhar sentimentos. 

    E você, tem mais alguma dica que pode ajudar alguém que está passando por um momento difícil! Deixe sua resposta aqui nos comentários e aproveite para acessar o nosso blog.

    Deixe um comentário