• Central de atendimento 24h (011) 4780-5608
  • Cemitério Santana

    O Cemitério Santana é uma necrópole que fica localizada na cidade de São Paulo, mais especificamente no distrito de Santana. Ele que também é conhecido como Chora Menino, foi fundado no ano de 1897 e possui uma área de 38.485 m².

    Sua fundação traz um grande contexto histórico para a cidade, além de ser um local que abriga milhares de falecidos que se encontram ali desde os primórdios, até os dias atuais.

    Localizado na Rua Nova dos Portugueses, nº141, no bairro do Imirim em São Paulo (SP), sob o CEP: 02462-080

    Para quem possui um ente querido enterrado no local, ou deseja conhecer o cemitério Santana, os horários de visita estão disponíveis das 08:00 às 18:00, durante todos os dias da semana. Agora para quem irá realizar uma homenagem fúnebre através do velório, ele fica disponível 24 horas por dia.

    Como Chegar?

    A localização do cemitério Santana está inserida na Zona Norte de São Paulo, especificamente no distrito de Santana, no bairro do Chora Menino, também conhecido como bairro do Imirim. Ele está descrito no mapa através da Rua Nova dos Portugueses, número 141, bairro Imirim – Santana, São Paulo – SP e também pode ser encontrado pelo CEP: 02462-080

    É possível chegar até ele por meio das principais avenidas da região, que são: 

    • Avenida Imirim;
    • Av. Braz Leme;
    • Avenida Casa Verde;
    • Avenida Engenheiro Caetano Alves;
    • Av. Voluntários da Pátria;
    • Rua Alfredo Pujol.

    Agora para quem pretende visitar o lugar indo de ônibus, é possível chegar o local através de algumas linhas. São elas:

    • 971C – Linha que liga COHAB até o Metrô Santana
    • 106A – Linha que liga o Metrô Santana até o Itaim Bibi
    • 178A  – Linha que liga Imirim até a Lapa
    • 971P – Linha que liga Vila Penteado até o Metrô Santana (Até P.S. Freguesia do Ó)
    • 1745 – Linha que liga Vila Nova Cachoeirinha até Shopping Center Norte
    • 971T – Linha que liga Vila Santa Maria até o Metrô Santana
    • 971R – Linha que liga Estação Jaraguá até o Metrô Santana
    • 971X – Linha que liga Terminal Cachoeirinha até o Metrô Santana
    • 1052 – Linha que liga COHAB Antártica até o Santana.

    História do Cemitério Santana

    Construído no ano de 1897 pelo poder público da cidade de São Paulo presente naquela época, o cemitério Santana possui em si milhares de corpos que ocupam totalmente o local através de seus jazigos e mausoléus que por sua vez, foram construídos em sua maioria por familiares emergentes na época.

    As terras na qual o cemitério está localizado eram antes conhecidas como propriedades de imigrantes portugueses que ali criavam diversas plantações para venderem no centro da cidade. Por isso, a rua do cemitério chama-se Nova dos Portugueses.

    O cemitério Santana também já foi local de sepultamento de diversas crianças vítimas de Varíola e de Gripe Espanhola, duas grandes epidemias que assombraram o século passado.

    Além disso, o cemitério também já abrigou em sua localidade o chamado Cemitério Judaico, que esteve presente no local até o ano de 1970. Porém, após este período, ele foi desativado.

    Sobre o Nome Chora Menino

    Apesar de levar o nome Santana, o cemitério até hoje é conhecido como Cemitério Chora Menino. Isso porque, muitos dizem que o nome se deu por conta das diversas crianças enterradas no local.

    Porém, existem outras lendas acerca deste assunto que se diz respeito a uma moradora local que jogava crianças de cima de um barranco e com isso, a noite, as pessoas que passavam ali por perto, ouviam o choro dessas crianças, mesmo depois de muito tempo.

    Com isso, o local onde hoje é o cemitério, ficou conhecido então como Cemitério Chora Menino.

    Em Qual tipo de cemitério o Cemitério Santana se enquadra?

    Os cemitérios da região são caracterizados por 3 tipos, sendo eles: horizontal, vertical e jardim. No caso do Cemitério Santana, ele enquadra-se no tipo horizontal. Entenda:

    Cemitério Horizontal

    Os cemitérios horizontais são caracterizados pelo enterro dos mortos através de túmulos no solo. Assim, suas covas tornam-se subterrâneas, ficando para o lado de fora da terra apenas os túmulos e os jazigos.

    Esta é a forma mais comum de cemitérios, inclusive, é possível notar que neste tipo de cemitério é muito comum que os jazigos sejam feitos de mármore, azulejos ou construções caracterizadas com estátuas mausoléus e afins.

    Cemitério vertical

    O cemitério vertical, por sua vez, é formado por gavetas que ficam dispostas uma em cima da outra, e os corpos são depositados dentro de cada uma delas. Assim, evitando que o solo fique poluído devido à decomposição corporal.

    Além disso, nesta forma de cemitério, é possível ganhar mais espaço, já que as gavetas ficam lado a lado, enfileiradas e postas uma em cima das outras.

    Cemitério Jardim

    Os cemitérios caracterizados como jardim ou parque são caracterizados por uma grande formação de verde no seu espaço. Ou seja, não há mausoléus, apenas placas no chão, rodeados por grama  outros atributos verdes em toda a sua volta.

    Neste caso, esse tipo de cemitério tem como objetivo principal levar um ambiente de paz para aqueles que estão visitando seus entes queridos ali sepultados, criando um cenário tranquilo, coberto por natureza. 

    Velório do Cemitério Santana

    Além do cemitério em si, o local conta também com um velório amplo que possui em si 6 salas grandes e iluminadas. Tudo isso com o intuito de oferecer melhor conforto para a família e amigos do falecido.

    O local funciona 24 horas por dia, podendo haver então a cerimônia de velório a qualquer momento do dia. Ele também conta com um estacionamento gratuito, localizado bem em frente do velório em si. Assim, os visitantes não precisam andar tanto do carro até o local para realizar uma visita, ou participar de um velório. 

    Por que fazer um velório para o falecido?

    O velório em si é um ato de prestar uma última homenagem para aquele que se partiu, colocando-o em um momento de culto e despedidas.

    Além disso, o velório também atribui um grande prestígio sentimental. Isso porque, ele é definido como um momento de ver a pessoa uma última vez, guardando assim a sua lembrança e consideração pela pessoa. 

    Apesar de muitos não gostarem de velório, ele é um rito importante que agrega além de consideração, uma maneira simples digna de preservar a boa memória sobre o falecido em questão.

    Principais curiosidades sobre o cemitério Santana

    Atualmente, existem algumas curiosidades sobre o cemitério Santana que colaboraram para a sua história e que fazem parte do seu funcionamento. Dentre elas, podemos destacar:

    Sobre o nome “Menino que Chora”

    Assim como já abordado neste texto, o cemitério também é conhecido como Cemitério Menino que Chora e, dentre as principais razões pelas quais ele possui esse nome está a de uma moradora local, que é de fato a mais conhecida.

    Segundo as lendas, dizia-se que o local onde hoje é o cemitério, habitava uma mulher má, que era caracterizada por ter uma pele bem enrugada. As histórias dizem que esta mulher costumava atrair crianças para a sua casa e lá dava doces à elas e em seguida, elas sumiam.

    Com isso, conta-se que essas crianças acabavam sumindo, pois a mulher, após entregar-lhes os doces, jogava as crianças de um barranco alto que ficava bem ao lado de sua casa e, pessoas que por ali passavam, mesmo depois de muito tempo da história, acabavam ouvindo essas crianças chorando.  

    Porém, até hoje não se sabe se essas crianças realmente existiram, ou se o barulho era causado por gatos, ou ventos na região, que poderiam ser assemelhados ao choro de uma criança.

    E assim, o bairro e o cemitério, ficaram conhecidos como Chora menino.

    Desabamento do muro do Cemitério

    Em fevereiro de 2012, uma parte do muro do cemitério Santana acabou desabando após uma forte chuva na região. Com isso, o local passou por várias situações, pois além do muro, foram destruídos também alguns túmulos e até mesmo uma parte do ossário do local.

    Apesar das perdas, todos os reparos foram feitos e hoje em dia, o cemitério já encontra-se reestruturado.